24 setembro 2009

Bodas de Prata da Maria José e Eduardo.


A Maria José e o Eduardo no dia do seu casamento em 22 de Setembro de 1984.


Na Terça-Feira, 22 de Setembro de 2009, celebraram-se os 25 anos de casamento da Maria José (a nossa Zézinha) - filha mais velha do Quim e da Rosa - com o Eduardo.

Com a presença dos 2 filhos e alguns representantes da grande família bem como de diversos amigos foi celebrada uma Missa na Igreja de S.Mamede de Infesta onde o casal renovou os votos de 25 anos atrás.

Segui-se naturalmente um jantar que teve apenas como finalidade juntar alguma família (alguns não puderam estar presentes por ser um dia da semana e outros por estarem ausentes do país, como foi o caso do Miguel, irmão da Maria José, que está neste momento a passar algumas férias bem merecidas em Cabo Verde) e recordar o casamento de há 25 anos e as peripécias (e algumas travessuras) inerentes ao mesmo.

Esperamos todos que daqui a mais 25 anos eles voltem a formular os votos que neste dia renovaram e que, já com uma família bem mais numerosa, a festa seja de arromba como bem merece este jovem casal que continua em Lua de Mel após tantos anos, com duas abelhinhas já bem crescidas que deixam um ambiente de frescura ao bater as asas em volta dos pais.


22 de Setembro de 2009 > A Igreja de S. Mamede de Infesta.


Igreja de S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009> A renovação dos votos



Igreja de S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009
Sim! Estou disposto(a) a amá-la(o) e...

S. Mamede de Infesta > 22 de Setembro de 2009
Um dos Meninos das Alianças de agora.
O Francisco, filho da Cristina, irmã da Maria José.

S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009
As três irmãs. Cristina, Maria José e Natália.

S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009> Os noivos e os convidados á saída da Igreja.

S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009> Mais uma foto para a posteridade.

S. Mamede de Infesta >22 de Setembro de 2009> O casal prateado, com as duas abelhinhas.

Guardeiras >22 de Setembro de 2009> Os preparativos para o Jantar.

Guardeiras >22 de Setembro de 2009> Enquanto se aguarda pelo encher dos pratos.

Guardeiras >22 de Setembro de 2009> O Quim e a Rosa (pais da Maria José)

Guardeiras >22 de Setembro de 2009
O outro Menino das Alianças actual.
Afilhado da Maria José e sobrinho do Padre Joaquim Mário do Padrão da Légua.

Os Meninos das Alianças no dia do casamento em 22 de Setembro de 1984.
A Joana (filha da Alice e do Luis e o Luis Filipe, filho da Nita e do Gusto).

Guardeiras >22 de Setembro de 2009
O Menino das Alianças de 1984 (primo da Maria José).
Já sem calção, também foi dar um abraço ao casal.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009
A abelhinha Catarina com os dois Meninos das Alianças de agora

Guardeiras >22 de Setembro de 2009> A confraternização á mesa.

Guardeiras >22 de Setembro de 2009> Começo da abertura das lembranças oferecidas.

Guardeiras >22 de Setembro de 2009
A lembrança oferecida pela Nita e Gusto, cuja fotografia em ponto grande é...


...esta. Os noivos no dia do casamento com a Nita e o Gusto a Joana, o Filipe e...
o Tiago, que não queria ficar na foto.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009> As palmas, bem merecidas, para os noivos.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009
Apagar as velas de 25 anos de casados tem de ser a dois e com muita força.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009> Que não falte o Champanhe.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009> O Brinde final.


Guardeiras >22 de Setembro de 2009
E mais um Brinde com os votos sinceros de que esta festa se repita daqui a mais 25 anos.

Texto e Fotos: Augusto Soares (2009). Direitos reservados.

10 setembro 2009

A homenagem da professora aos seus primeiros alunos (Escola de Passinhos, 1972)



Margarida Peixoto, natural de Penafiel (com 6 anos de Angola, dos 10 aos 16, em plena guerra colonial), volta a Paredes de Viadores para reencontrar e homenagear os seus "meninos e meninas" da Escolinha de Passinhos / Foz, no já longínquo ano de 1972... Tinha acabado de sair do Magistério. Foi o seu primeiro ano de trabalho. Tinha cerca de três dezenas de alunos, de ambos os sexos, da 1ª à 4ª classe... Nunca mais se esqueceu deles...

Conheceu a Alice por ocasião do IV Encontro Nacional do Blogue Luís Graça e Camaradas da Guiné, em 20 de Junho de 2009, na Quinta do Paul, Ortigosa, Monte Real, Leiria. O seu marido, também professor, Joaquim Carlos Peixoto, fez a guerra colonial na Guiné e é amigo do Luís.

A Alice proporcionou agora este reencontro com alguns dos seus antigos alunos: a Laurinda, a Leonor, o Fernando... No dia 4 de Setembro de 2009, um dia de semana... Alguns, contactados, não puderam comparecer, por trabalharem no Porto e no estrangeiro... Fica em preparação um encontro alargado para o verão do próximo ano...

Vídeo (7' 09''): Luís Graça (2009). Direitos reservados.



Ambrões > 4 de Setembro de 2009 > Foi aqui que a jovem professora Margarida Peixoto (hoje já reformada do ensino básico) viveu um ano, enquanto deu aulas na Escola de Passinhos / Foz... Na foto, tem à esquerda o marido, o Prof Joaquim Peixoto (ainda no activo) e a Maria Alice, à sua esquerda.

Ambrões > 4 de Setembro de 2009 > O Joaquim Carlos, a Margarida e a Alice

Ambrões > 4 de Setembro de 2009 > A Alice e a Margarida, junto à casa da professora... Mais abaixo, à esquerda, fica a casa dos antigos professores Peixoto (que não eram parentes da Margarida nem do seu futuro marido, mas que lhe deram um grande apoio; um dos filhos do casal, o Jorge - actual proprietário da casa, notário reformado - é compadre da Margarida e do Joaquim).




Candoz > 4 de Setembro de 2009 > Um especial muito especial para a Margarida

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A Alice e a Laurinda Caetano, à mesa, à hora do chá

Candoz > 4 de Setembro de 2oo9 > Da esquerda para a direita: o Gusto, o Joaquim Carlos, a Alice e a Laurinda (que é prima direita do Gusto).

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A Nitas e a tia do Gusto, mãe da Laurinda

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A Leonor, a Ana (nossa sobrinha), a tia Emília e a Mi.

Candoz > 4 de Setembro > O Prof Joaquim Carlos Peixoto, esposo da Margarida

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A nossa Ana

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A nossa vizinha Lenor Emília Rocha, casada com o Fernando Barros e mãe do nosso amigo Daniel Barros, líder do Grupo de Bombos 4 Estações

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > A professora e a aluna... de 1972

Candoz > 4 de Setembro de 2009 > O Fernando, acabado de chegar de San Sebastian, país basco, Espanha, onde trabalha na construção civil... Faz, quase todas as semanas, o percurso Candoz-San Sebastian, com o seu filho Daniel: 1600 km... Na foto, com a sua antiga professora da 3ª classe... "Foi a melhor que eu tive: nunca nos batia"!...

Fotos: Luís Graça (2009). Direitos reservados.

1. Mensagem da Margarida Peixoto, enviada à Alice, com data de


Olá Alice:

Venho muito emocionada agradecer o belo dia que a Alice, marido e restante família nos proporcionaram.

Foi um dia inesquecivel, reviver o meu passado, encontrando com muito carinho aqueles “velhos” alunos que muito me marcaram. Foi, realmente, um conjunto de emoções e alegria que muito, mas mesmo muito, tenho que lhe agradecer.

Não é fácil encontrar umas pessoas com vós, sensíveis aos problemas e gostos dos outros e ainda, por cima, saber oferecer de mão beijada a alegria que os outros tanto apreciam. Obrigada por me ter feito realizar um sonho que eu nunca pensei ser possível.

Mas também não posso deixar de agradecer o carinho, amizade e boa disposição com que fomos recebidos.

Foram de uma gentileza tal, com um à vontade tão sincero e desprovido de qualquer grandeza que é notável a vossa simplicidade e camaradagem.

Não sei que “clik” deu às duas, mas tenho a sensação que já nos conhecemos há anos e consigo abrir-me sem receios com uma pessoa que mal conheço.

É incrivel como se popde arranjar uma amizade tão rápida e sincera.

A Alice é uma verdadeira Mulher que sabe transmitir e dar aos outros aquilo que eles necessitam e eu estava a necessitar de alguém que me transmitisse a confiança e amizade que eu já pensava terem desaparecido na nossa sociedade.

Obrigada por essa mensagem e confiança que me transmitiu.

Obrigada pela franqueza com que nos recebeu. Gostamos muito do dia que passamos em “Candoz”. Desde a Alice e o marido, passando por todos os seus familiares, foram de uma simpatia extrema. Gostei muito de todos..

A sua cunhada e irmão são incriveis...

A sua irmã, que espero esteja melhor, é uma carinha de riso, é uma simpatia.
Adorei a sua sobrinha, tão bonita e carinhosa. Vocês são todos especiais...

Gostaria de vos retribuir com a mesma intensidade o dia que aí passamos. Espero, sinceramente, recebê-los aqui ou em Guimarães, brevemente.

Até lá, quero enviar à Alice e marido um grande abraço de sincero agradecimento e amizade. Gostaria também que em nosso nome transmitisse ao resto da família um grande bem haja.

Parabéns pela linda casa que têm, mas principalmente parabéns por serem tão lindos por fora como por dentro.

Beijinhos
Obrigada .
Margarida

2. Resposta da Alice, com data de hoje:

Margarida, querida amiga (de hoje e, parece-me, que já de há muito):

Obrigado pelas suas palavras tão quentes e tão sinceras, mas que eu não mereço. Obrigado também pela simpatia com que se referiu à nossa casa e ao resto da nossa família (O Luís , a Nitas, o Gusto...). Limitei-me a receber, com prazer e hospitalidade, os meus/nossos novos amigos, Margarida e Joaquim Carlos,e a facilitar o encontro com alguns dos seus antigos alunos, meus vizinhos e amigos...

Fico feliz por esse dia, de regresso ao passado, ter tido tanto significado para si e para o seu marido... A vida também é feita de afectos, emoções, memórias... Julgo que muitos professores, seus colegas, também valorizariam o significado de um dia como este...

Você, que é uma pessoa tão especial e tão sensível, soube interpretar e transmitir muito bem o que representou para si o seu primeiro ano de trabalho, num sítio e numa época difíceis, como era a nossa freguesia em 1972... A sua primeira escolinha, de Passinhos / Foz, marcou-a para o resto da sua vida profissional. Mas também é verdade que a Profª Margarida 'tocou' aqueles alunos, ao ponto de eles dizerem, sem lisonja, com a simplicidade e a autenticidade que os caracterizam, que a Margarida foi a melhor professora que tiveram...

O que é habitual é serem os antigos alunos a homenagearem os seus antigos professores do ensino básico (naquela época, dito primário). A Margarida foi original, fez questão de ser ela a homenagear a sua primeira escola e os seus primeiros 30 alunos, da 1ª à 4ª classe, de há quase 40 anos atrás... (Era então uma menina e moça).

O Luís já pôs no You Tube, na nossa conta (Nhabijoes), o vídeo, de cerca de 7 minutos, com as palavras, tão sentidas e inspiradas, que a Margarida disse, na nossa casa em Candoz. Foi um privilégio para mim e para o Luís, bem como para a minha irmã Nitas e o cunhado Gusto, ter-vos recebido em nossa casa. Esta será a primeira de muitas vezes, seguramente.

Um chicoração da Alice e do Luís. Um abraço para o o Joaquim Carlos. Beijinhos dos seus antigos alunos Laurinda Caetano, Leonor Emília Rocha e Fernando Barros, nossos vizinhos de Candoz.


PS - Iremos também publicar as fotos desse dia, no blogue A Nossa Quinta de Candoz.
http://anossaquintadecandoz.blogspot.com/

08 setembro 2009

Adivinhem quem faz anos hoje ? O nosso Zé, o mano mais novo...



Vídeo (7' 29''): © Luís Graça (2009). Direitos reservados


Candoz > 2 de Setembro de 2009 > Plantando as pencas que hão-de ser comidas pelo Natal... É o segundo campo que o nosso hortelão faz no espaço de uma semana... Uma conversa filosófica (sobre a vida, a doença, a morte, o amor da terra, o trabalho...) com o nosso mano mais novo que, no dia 8 de Setembro, faz 61 aninhos... Dia da festa do Castelinho... O ano passado a nossa prenda foram uns versinhos, quando ele entrou para o Clube dos SEXA (Suas Excelências)... Quisemos hoje fazer-lhe uma surpresa, com este vídeo (não editado nem censurado)...

Ele é um rico mano (que o digam o António, a Rosa, o Manel, a Chita, a Nitas...), um bom pai (Pedro, há alguma reclamação a fazer ?) , um avô baboso e babado (pelo menos quando fala do neto...), um esposo dedicado (confirmas, Teresa ?), um genro de cinco estrelas (não é Dona Olinda ?), um cunhado de que todos gostamos muito (o Luís, o Gusto, a Mi, a Graça, o Quim...), um sócio impecável do nosso turismo rural (só investe, não recebe dividendos), um homem dos sete ofícios (de picheleiro a trolha, de técnico de gás a hortelão, de limpa-bordas a lenhador...).

Enfim, quem tem um Zé tem tudo. Ele é um mouro de trabalho... Ele anima a nossa mesa, à hora das refeições, é jovial, bem disposto, generoso, ingénuo, simples, humilde, franco... E gosta do falar o linguajar chão, puro, autêntico, da nossa terra... Quem o ouvir falar, e for sensível de ouvido, julga que ele o faz por provocação ou má educação... Mas, não, ele é o melhor e o mais puro de todos nós...

Parabéns, Zé! Que a auto-estrada da vida te leve, no mínimo, até aos 100, pelo menos com o mesmo gás com que tens vivido e trabalhado... Cuida de ti e do teu esqueleto!

Um grande chicoração das manas e cunhados, teus queridos sócios neste projecto da Quinta de Candoz que nos anima há duas dezenas de anos: Rosa e Quim, Nitas e Gusto, Alice e Luís.

05 setembro 2009

Os nossos trabalhos (es)forçados (4): Capinar... sentado

video



Vídeo (3' 32''): © Luís Graça (2009). Direitos reservados


A expressão "Não sou de capinar sentado" é muito querida ao nosso Gusto... A expressão é ambígua: habitualmente, "campinar sentado" é tomada como sinónimo de "trabalhar pouco"... Mas para o Gusto acho que tem outro significado, precisamente o contrário: é não se importar de vergar a mola...

Certo, para trabalhos de pá, pica e enxada não o convidem.... Mas já a trabalhar na vinha (enxertos, poda, poda verde...) ou a conduzir o tractor ele é o primeiro... No tractor é um Ás... Ninguém o bate em destreza, perícia, eficiência, eficácia, qualidade e... segurança (que é um aspecto do nosso trabalho agrícola da máxima importância).

Não sei quantos acessórios tem o nosso tractor vinhateiro... Seguramente, mais de meia dúzia, cada um com a sua função, desde o atrelado à charrua... A última aquisação é a capinadeira, que nos poupa o corpinho e, finalmente, permite ao Gusto... "capinar sentado" (isto é, sem ter que vergar a mola)...

Vd. o último poste desta série > 29 de Julho de 2009 > Os nossos trabalhos (es)forçados (3): Sulfatar a vinha (Parte III)