30 dezembro 2013

As nossas comidinhas (7): O bacalhau com pencas. da ceia de Natal




Vídeo (1' 46) > Alojado em You Tube > Nhabijoes








Vídeo (2' 55'') > Alojado em You Tube > Nhabijoes


Madalena, Vila Nova de Gaia, Natal 2013. Casa dos tios Gusto & Nitas > Preparação da ceia de Natal, 24/12/2013 >  Diálogo entre o João Graça, a mãe, Alice, e o autor dos 3 vídeos, Luís Graça...

As nossas comidinhas (6): os doces de Natal da Tia Nitas




















Madalena, Natal de 2013 > Algumas das "entradas" e "saídas" da nossa mesa de Natal, na casa da tia Nitas e tio Gusto...

Fotos: Luís Graça



25 dezembro 2013

As janeiras da Madalena, ditas na noite de Consoada pela Joana Graça



Vídeo (8' 24''): Alojado em You Tube > Nhabijoes 

Madalena, Vila Nova de Gaia, casa da Nitas & Gusto... O Luís Graça escreveu e a Joana Graça disse as janeiras de 2013/14... Vai-se mantendo a tradição, com as quadras (personalizadas) da Madalena...


Natal da Madalena, 2013

A angústia do papel branco
É coisa que dá aos poetas,
P’ra mais, agora que ando manco,
E vou-me abaixo das canetas.

O Natal não se compadece
Destas pequenas mazelas,
Quem é vivo sempre aparece,
Todos juntos, eles e elas.

O local de reunião
Não é Belém, é a Madalena,
Seja mouro ou cristão,
Quem não pode, fica com pena!

Os nossos anfitriões
Têm direito a gabadela,
Dos pequenos aos matulões
Todos vêm comer... na gamela.

É uma rica consoada,
Não tanto pelas iguarias,
Mas pela presença variada
Dos Josés e das Marias.

E até a avó do menino
Cá temos, a Dona Ana,
Nem cá falta um violino,
Nem um João nem uma Joana.

Até temos, p’ra completar,
Pedro, o pescador,
O tal que andava no mar,
E que foi atrás do Senhor.

Burro e vaca não há,
Mas não faltam as Carneiras,
Mais os pastores, os de cá e lá,
Que vêm cantar as janeiras.

Querubins e anjinhos,
Também os há com fartura,
São os nossos menininhos,
Que saudamos com ternura.

Mais apóstolos, só o Tiago,
Que há-de ser santo nas Compostelas,
Está agora cheio de bago,
A ver barrigas e costelas.

Rapaz solteiro e portista,
Tem casa nova na Baixa,
O nosso imagiologista,
Que pagou com dinheiro em caixa.

Das prendas do Pai Natal,
Destacaria a do João,
Um Stradivarius, que tal?!,
Que nos custou um dinheirão.

Mas, a do F’lipe, foi a melhor,
Um ano de estágio pago,
P’rás finanças, inspetor,
Fica rico ou fica gago.
Se ele tiver que ir p’ra Lisboa,
Piursa fica a Susana,
Não pode ter vida boa
Lá na terra da moirama.

Cada um cumpre o seu fado,
Diz o F’lipe com humor,
Eu, por mim, a servir o Estado,
Só o faço por ti, meu amor.

Mulher de sete talentos
É a Joana Carneiro,
Mete-se em muitos empreendimentos,
Mas o amor nunca é o primeiro.

Já fez mil coisas na vida,
De estórias é contadora;
Ainda te vou ver, querida,
De serpentes encantadora.

A Sandra e o Rui saudemos,
Companheiros deste dia,
E com eles também temos
O Miguel e a Sofia.

Falta o Pedro e a Patrícia,
Gente que nos alegra a janta,
E de quem direi, sem malícia,
Que pouco come e muito canta.

Pois que sejam também bem vindos,
Berta, Zé e demais vizinhos,
E façam o favor, meus lindos,
De provar os doces e… os vinhos.

Manda a Troika comer pouco
E, ainda menos, beber,
O Pai Natal está taralhouco
Vão-se todos mas é f…

Comam e bebam sem IVA,
Diz o Gusto, com todo o gosto,
Tenho escrita criativa,
Meu Natal não paga imposto.

E a ter que pedir, neste ano,
Algo à Troika e ao Pai Natal,
É que volte a ser soberano
O nosso querido Portugal.

Sintam-se todos contemplados,
Por estas quadras natalícias,
E nelas vão embrulhados
Meus abraços, beijos e carícias.