31 agosto 2019

35 anos: 6º festa da Família Ferreira, 31 de agosto de 2019.. e já está marcada a próxima, 29/8/2020


Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Sitio da N. Sra. do Socorro > 31 de agosto de 2019 > Cerca de um centena de membros da família Ferreira participaram no seu 6º encontro anual (que se realiza desde 1985).








Marco de Canaveses > Penha Longa e Paços de Gaiolo > Fandinhães > Rota do Românico > 35. Capela de N. Sra. da Livração de Fandinhães (c. meados séc. XIII)

"Hoje titulada Capela da Senhora da Livração, a antiga Igreja de São Martinho de Fandinhães constitui um verdadeiro enigma. Quando o visitante se aproxima, vislumbra o que parece ser um edifício arruinado. A tradição refere o seu desmantelamento e a documentação não o contradiz. As escavações arqueológicas (2016) confirmam-no por terem identificado os alicerces das paredes norte e sul da nave, na continuação do atualmente visível à superfície.

"Aqui se cruzam várias influências românicas. As figuras apoiadas em folhas salientes no portal encontram-se também nas Igrejas de Travanca (Amarante) e de Abragão (Penafiel). No adro veem-se vestígios de uma cornija sobre arquinhos, motivo comum no românico da bacia do Sousa, que a esta chegou via Coimbra. Os toros diédricos nas frestas evidenciam a influência portuense, provinda da região francesa de Limousin. As "beak-heads" [cabeça de animal com um bico proeminente] na fresta lateral sul lembram a influência do românico beneditino do eixo Braga-Rates.

"Embora a maior parte dos cachorros exiba motivos geométricos, um deles apresenta um exibicionista, figura masculina representada nua e com a mão direita sobre os órgãos genitais, motivo encontrado na Igreja de Tarouquela (Cinfães).

"No adro, duas tampas sepulcrais: uma com a representação de uma espada e outra com uma cruz inscrita." (Fonte: Rota do Românico > Capela de Nossa Senhora da livração de Fandinhães, com a devida vénia...)


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Pode vir a ter, talvez, no futuro,  algum interesse, documental, para a sociologia e a história da família em Portugal, as festas de família que se realizam anualmente, um pouco por toda a parte, no verão, no nosso país. 

Afinal, porque é que as famílias se encontram ? Para se conhecerem (os mais novos), para voltarem às "raízes" (os que vivem na cidade ou no estrangeiro), para matarem saudades (os que estão longe), para partilharem memórias e afetos, para recuperarem sabores e cheiros da infância, para reforçarem lacos de parentesco e aliança, para exercerem a arte do dom (a obrigação de dar, receber e retribuir), para dizerem bem e mal uns dos outros, para fazerem as pazes e enterrarem o machado de guerra, para conviverem, para se divertirem... afinal para celebrarem a vida e exorcizarem o medo da doença, da incapacidade, da dependência, da solidão,  da infelicidade e da morte...

É o caso da família Crispim & Crisóstomo (, que os nova-iorquinos João e Vilma Crisóstomo têm vindo a animar, no verão, em Paradas, A-dos-Cunhados, Torres Vedras, sempre que vêm a Portugal). Ou é o caso da família Ferreira, que tem o seu núcleo duro em Candoz, Tabanca de Candoz,  Paredes de Viadores, Marco de Canaveses, a que o nosso editor, por casamento, com a Maria Alice Ferreira Carneiro (n. Candoz, 1945), se veio aliar em 1976, já lá vão mais de 4 décadas.

A família, alargada, da Alice (, que é Ferreira, do lado materno, e Carneiro, do lado paterno, ) reíne-se há 35 anos, no verão. Anteontem, dia 31 de agosto, juntaram-se  4ª gerações dos Ferreira e ficaram em comunhão espiritual com mais outras 4, que nasceram e cresceram nestas terras da bacia do Tâmega e Douro, pelo menos desde 1820.

O primeiro encontro foi a 29 de setembro de 1984, em Fandinhães, Paços de Gaiolo, terra antiquíssima, freguesia do extinto concelho de Bem-Viver, onde nasceu toda a 4ª geração, incluindo a Maria Ferreira, mãe da Alice e avó do João Graça, nossos grã-tabanqueiros.




Marco de Canaveses, Paços de Gaiolo, Fandinhães > 1984 > 1º encontro da família Ferreira > Ainda eram vivos os três casais da 4ª geração: António Ferreira ("Vitorino") e Amélia Rocha (com residência no Alto, Paredes de Viadores), Maria Ferreira e José Carneiro (Candoz, Paredes de Viadores) , e Ana Ferreira e Joaquim Cardoso (Cacia, Aveiro)...

Fonte: A Anossa Quinta de Candoz (2011)



O segundo encontro, no ano seguinte, em 1985, foi na serra de Montedeiras, no respetivo parque de merendes (, pertencente atualmente à freguesia de Sande e S. Lourenço do Douro, Marco de Canaveses). Enfim, perto de Fandinhães.

Por causa dos sucessivos "lutos" (, dos que morreram na sua idade, e dos que decidiram apressar a morte, e já foram três ou quatro!)
, os encontros interromperam-se, a partir desse ano, só se realizando o terceiro, em 10 de julho de 2011, em Paredes de Viadores, no parque de merendas da igreja de N. Sra. do Socorro.

O quarto seria no mesmo local, dois anos depois, em 7 de setembro 2013; o quinto em 25 de agosto de 2018 e, agora, o sexto, em 31 de agosto de 2019. E o 7º já está marcado para 29 de agosto de 2020, sábado. 


35 anos depois do primeiro, parte da família (os mais novos...) ainda não tinha nascido.

Da geração nascida em Fandinhães, a 4ª (a contar de 1820), para além da Maria Ferreira (1913-1995), havia ainda os manos António Nunes Ferreira (1910-1990), Rosa Ferreira (1915-1960) e Ana Ferreira (1917-1995), todos filhos de Balbina Ferreira (1876-1938), casada com José Nunes Ferreira (,de alcunha ‘Vitorino’) (1875-1948).

O mais antigo Ferreira, até agora conhecido, é o avô da Balbina Ferreira, o João Ferreira(1821-1897), casado com Mariana Soares (1822-1895) (,considerada a 1ª geração), portanto bisavô da Maria Ferreira, trisavô do António Ferreira Carneiro e tetravô das suas filhas (que são 4: Paula, Becas, Suzana, Romi) e pentavô dos filhos destas (que ainda não têm filhos)... E  hexavô dos bisnetos da Rosa (1) e da Lena (2)...


São estes as antepassados comuns, da família Ferreira, de Fandinhães, os conhecidos, por documentos escritos, os mais antigos, donos das terras de Candoz e Leiroz: João e Mariana tiveram 6 filhos, 3 Ferreira e 3 Soares...

Enfim, quando se completar a árvore genealógica, ir-se-á descobrir que uma vulgaríssima família como os Ferreira é naturalmente muito mais velha, tão velha como qualquer outra família portuguesa aqui destas terras onde nasceu Portugal... (Não é por acaso que a rota do românico passa sobretudo pelos vales do Sousa e do Tâmega).
































Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Sitio da N. Sra. do Socorro > 31 de agosto de 2019 > 6º encontro da família Ferreira > Os elementos da festa...o pão, o vinho, a alegria, a música, a reinação, as cantigas à desgarrada, a dança, as crianças, oa adolescentes, os pais. os avós e os bisavós...Cada "família" trouxe o seu pestisco, que foi partilhado à mesa... Era já noitinha quando arrumou o trouxa e voltou às suas casas, uns mais perto, outros mais longe, com vontade de voltar no próximo ano, em 29 de agosto de 2020. Afinal, a vida são dois dias e a festa da vida deviam ser três... 

Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



No sábado passado, no, 6º encontro, marcaram presença cerca de uma centena de membros da família (, não couberam todos na fotografia que acima se publica):

(i) representantes da 5ª geração (a contar de 1820) (ou 4ª, a mais velha das gerações vivas), como o "mano mais velho", o António Ferreira Carneiro (n. 1939), o "brasileiro", filho de Maria Ferreira e José Carneiro (1910-1996), ; tudo gente na casa dos 70/80;  vários membros desta geração foram mobilizados para a guerra colonial / guerra do ultramar (Angola, Guiné, Moçambique): é o caso do "mano mais velho" da Tabanca de Candoz, o António, que esteve em Moçambique(1964/66), onde foi ferido gravemente...

(ii) Representantes da 6ª geração (ou 3ª geração das 4 que estão vivas), como as filhas (quatro) do António e da Graça; tudo gente na casa dos 40/50;

(iii) Representantes da 7ª geração, a dos netos do António e da Graça; tudo gente na casa dos 10/20/30...

(iv) E já temos gente da 8ª geração: por exemplo, a matriarca Lena, rima da Alice,  trisnetas de João ferreira e Mariana Soares, sendo  a mais velha dos Ferreira vivos,  (n. 1935,  já é duas vezes bisavó);

Da 4ª geração, os pais da Alice, gente que hoje teria mais de 100 anos, não temos infelizmente já cá ninguém. Mas estão cá os seus descendentes:

(i) O mais velho era o António Nunes Ferreira, o ‘Vitorino’, o "brasileiro", que nasceu em 1910 e casou com Amélia Rocha, pais da Lena e outros;

(ii) A mais nova era a Ana Ferreira, nascida em 1917, e que casou com Joaquim Cardoso; tem netos e bisnetos no Brasil, que este ano não virão,mas também no Porto, em Aveiro,  em Leiria...

(iii) As do meio eram a Maria Ferreira, que casou com José Carneiro; tiveram seis filhos, incluindo a Alice, que vive hoje na Lourinhã;


(iv) e a Rosa Ferreira, que casou com o José Vieira Mendes…

 
Em 2019, no 6º encontro, estava previsto publicar-se um livrinho com a árvore genealógica da família Ferreira, em edição revista e aumentada… Mais as receitas das nossas "comidinhas", as letras e as músicas das nossas "tunas rurais", bem como os "cantaréus"... Mas não tempo para tudo... Fica para o ano...

Este ano, como é habitual, não faltaram os comes e bebes, a música, a poesia, os afetos, a alegria, a dança, as paródias, as cantigas à desgarrada, a reinação,,, 

Por mera curiosidade, e para os leitores interessados, aqui ficam às quadras populares que o poeta da Tabanca de Candoz escreveu para a ocasião...



1.
Em Paredes de Viadores,
Temos encontro anual,
Os pequenos e os maiores
Da família Ferrei…ral!

2.
Da família Ferrei…ral,
Vivos são quatro gerações,
Quem veio é bestial,

Quem não veio tem suas razões.

3.
Quem não veio tem suas razões,
Saúde, amores, dinheiro,
P’ra eles xicorações,
… Mas não dançam no terreiro.

4.
Mas não dansam no terreiro,
Só dançam os qu’ aqui ‘stão,
Os do Porto e os d’ Aveiro,
Mais os de cá do Marão.

5.
Mais os de cá do Marão,
De Montemuro e da Abob’reira,
Do Brasil não virão,
E da Lour’nhã, a vez primeira.

6.
E da Lour’nhã, a vez primeira,
Os tios Alice e Luís,
Ela é Carneiro e Ferreira,
E vai ser uma avó feliz.

7.
E vai ser uma avó feliz,
Entrando p’ró clube dos avós,
É a Rosa quem o diz,
Lá na Quinta de Candoz.

8.
Lá na Quinta de Candoz,
Deu o bicho carpinteiro,
A notícia correu veloz,
Anda tudo muito foleiro.

9.
Anda tudo muito foleiro,
Ai o meu braço, ai o meu joelho,
Queixam–se no cab’leireiro,
Ai que horrível ‘tou ao espelho.

10.
Ai que horrível ‘tou ao espelho,
E já sou cinquentona,
A quem hei de pedir conselho ?
À ‘nha filha qu’ stá uma mocetona.

11.
À ‘nha filha qu’ stá uma mocetona,
Quer casinha para casar,
E, como é uma valentona,
Muitos gajos p’ra namorar.

12.
Muitos gajos p’ra namorar,
Ou só um, desde que rico,
Mas não sei como é que eu fico,
Longe de me poder reformar.

13.
Longe de me poder reformar,
Queixam-se as nossas bonecas,
No duro, a trabalhar,
As sobrinhas Paula e Becas.

14.
As sobrinhas Paula e Becas,
Da geração terceira,
Não são nada de panquecas,
Danadas p’rá brincadeira.

15.
Danadas p’ra brincadeira,
Tal como os primos do Alto,
Tudo com costela Ferreira,
Para o baile, isto é um assalto.

16.
Para o baile, isto é um assalto,
Qu’a vida dois dias são só,
Diz, meio-soprano, contralto,
O nosso querido doutor Jó.

17.
O nosso querido doutor Jó,
De filhas lindas escultor,
Mas do João não tenham dó,
Que a Catarina é um amor.

18.
Que a Catarina é um amor,
Diz a Vera, a priminha,
P’ra vida ter mais sabor,
Vai-nos dar uma Clarinha.

19.
Vai-nos dar uma Clarinha,
Que p’ro ano vem à festa,
Por ser também Ferreirinha,
E ter estrelinha na testa.

20.
E ter estrelinha na testa,
É o Manel, neto da Zé,
Toda lampeira e lesta,
Que o batizo amanhã é.

21.
Que o batizo amanhã é,
E até Deus ‘tá convidado,
Por ser um lindo bebé,
Diz o bisavô babado.

22.
Diz o bisavô babado,
O nosso Joaquim Barbosa,
Aos oitentas mais cansado,
Mas a vida é sempre gostosa.

23.
Mas a vida é sempre gostosa,
Mais no Porto que em Barcelona,
Diz a Sofia, chorosa:
“Beijos, gato, da tua gatona.”

24.
“Beijos, gato, da tua gatona”
Só pode ser p’ro Tiago
Anda ele numa fona
Só a mamã lhe dá afago.

25.
Só a mamã lhe dá afago,
Que a coisa custa a passar,
Mas, ó homem cum carago,
Espanta os males, põe-te a tocar

26.
Espanta os males, põe-te a tocar,
Viola ou acordeão,
Tua tristesa há de passar,
Diz-lhe o F’lipe, que é o irmão

27.
Diz lhe o F’lipe, que é o irmão,
Outro dos nossos tocadores,
Primos são um batalhão,
E todos bons comedores.

28.
E todos bem comedores,
Dos Mendes aos Cardoso,
Mão se acanhem, meus amores,
Que o arroz está gostoso.

29.
Que o arroz está gostoso,
Parabéns à cozinheira,
E p’ra quem for mais guloso,
Temos o doce da Teixeira.

30.
Temos o doce da Teixeira,
E nos versos deste poeta
‘Tá a família toda inteira.
… Viva a festa, o resto é treta!

31.
Viva a festa, o resto é tretas,
Viva a Lena, a matriarca,
Sortuda, tem duas bisnetas
E grande enxoval na arca.

32. E grande enxoval na arca,
Já não têm gajas d’hoje,
Só querem roupas de marca,
Foge, moço, delas foge!

33.
Foge, moço, delas foge,
Não é coisa que se diga,
Cada um tem o seu alforje,
Tanto rapaz como rapariga.

34.
Tanto rapaz como rapariga
Cá da família Ferreira,
Não tem o rei na barriga,
Mas é gente de primeira.

35. 

Mas é gente de primeira,
Qu’ honra seu antepassado,
E esta quadra é a derradeira,
A todos digo… obrigado!


Paredes de Viadores, sítio da Nª Srª do Socorro, parque de merendas, 31 de agosto de 2019


 

10 julho 2019

Parabéns, Tiago, pelo teu 37º aniversáriio: sê feliz, ama e sê amado, pelo menos até ao fim dos entas...



Para o nosso Tiago querido,
Agora bem casado e trintão!



Parabéns pelas tuas 37 primaveras!


Voltas ao Porto seguro,
Deixas na ilha o vulcão,
Pode ser um bocado duro,
Mas não se extingue a paixão.

Não se extingue a paixão,
Por estar longe a tua amada,
E agora que és trintão,
E a Sofia bem casada.

E a Sofia bem casada,
Longe da sua cidade,
Em Barcelona exilada,
A suspirar de saudade.

A suspirar de saudade,
Mas sempre ao alcance da vista,
É uma parede de tabique
A distância que dela dista.

A distância que dela dista,
Não é coisa de tormenta
De avião ou por autopista,
O coração bem aguenta.

O coração bem aguenta,
É jovem e muito forte,
P’lo menos até aos noventa,
Sê feliz e boa sorte.

Teus tios e amigos, Luís e Alice
(O João e a Joana também assinam por baixo)


Alfragide, 10 de julho de 2019

19 junho 2019

50 manjericos, 50 quadras juninas... "Hoje, na Quinta do Jordão, / Há festa e cantoria, / Com a benção do São João, / Casam-se o Tiago e a Sofia!"



Quadras populares juninas
para os noivos, Tiago e Sofia,
em dia de casamento 
(V. N. Gaia, Quinta do Jordão,
19 de junho de 2019)


Refrão


Hoje, na Quinta do Jordão,
Há festa e cantoria,
Com a benção do São João,
Casam-se o Tiago e a Sofia!


1

Hoje é dia de alegria,
Com direito a foguetório,
É a festa do casório
Do Tiago e da Sofia.

2

Este amor não é uma treta,
O do Tiago & Sofia,
Vai custar uma nota preta,
Só a boda, diz a tia.

3

Ó Sofia, cum carago,
Está na hora de casarmos,
Diz, impaciente, o Tiago,
Temos já casa p’ra morarmos.

4

São do Porto que é uma nação,
Este jovem casalinho,
Unidos p’lo coração,
A Sofia e o Tiaguinho.

5

São João, milagreiro,
Dá sorte aos casadouros,
Junta o Tiago, tripeiro,
Com a Sofia dos mouros.

6

O Tiago, de Riba-Douro,
Construiu uma bela ponte,
P’ra ir co’ a Sofia à fonte
D’Além-Douro, terra de mouros.

7

Não há Norte nem há Sul,
Nem fronteiras no amor,
Tiago rima com azul, 

Sofia com qualquer cor.


8

Princesa, moura encantada,
De Vila Nova de Gaia, [já terra... de mouros!]
Sofia, a mais desejada,
Quando o Tiago vai à praia.

9

Na Pérola do Atlântico [, a ilha da Madeira,] 
E no seu devido tempo, 
Tiago, o último romântico,
Pede Sofia em casamento.

10

Com raízes em Resende [, lado materno,]
E Oliveira d’Hospital, [,lado paterno,]
Ela a ele não surpreende
Com o seu sim conjugal.

11

Vivam os santos populares,
Viva o nosso São João,
Que é do doutor Soares
O de maior estimação.

12

Há manjericos e balões
E no ar muita alegria,
Uniram os seus corações
O Tiago e a Sofia.

13

Viv’ ós noivos, viv’ós pais,
E o resto da confraria,
Vivam todos os demais,
Que vieram à... romaria.

14

Bem casado e mal pago,
Diz do noivo a Sofia,
Muito trabalha o Tiago,
P’ra ter uma moradia.

15

É cheia de predicados,
A Sofia, neurologista,
Um dos seus poucos pecados…
Ser, no Porto,...benfiquista.

16

Não se discute clubismo,
No Palácio da Sovela,[,nome antigo da Rua dos Mártires da Liberdade, onde os noivos moram] 
Nem machismo e feminismo
São bandeiras dele ou dela.

17

Lá vai, feliz e pimpão,
O São João que é o guia,
E atrás, de arco e balão, 

O Tiago e a Sofia.

18

Sofia, querida,
Casamento não é prisão,
Se for para toda a vida,

É o amor a mor razão.

19

Querido Tiago, morcão,
Não sejas bebé-chorão,
Se for uns meses p’ra Barcelona
A tua querida morcona.

20

Se a Sofia é carinhosa,
O Tiago é ternurento,
Ela é um botão de rosa,

Ele, um fruto sumarento.

21

Diz Sofia p’ró Tiago:
“O amor não paga imposto,
Mas, se sim, sou eu que pago, 

E pago-o com todo o gosto”.

22

Adivinhe, quem for capaz,
Quem este noivo será,
Ainda jovem e bom rapaz,
Feliz a noiva fará.

23

No tempo em que andou na escola,
Só andava atrás da bola,
O Tiago… e não sabia
Que havia uma Sofia!

24

É de maio, o mês das flores,
A nossa sábia Sofia,
Vai brilhar mais do que os doutores 

No exame de neurologia.

25

O noivo (em bebé):

Nasceu cedo, logo às sete,
É de oiro, este menino,
… Ou vai ser um diabrete,
Sempre a correr, sem destino.

26

O noivo (em bebé):

É um lindo bebé-chorão,
Que a mãe embala, sem medo;
É p’ró Luís, o irmão,
Um verdadeiro brinquedo. [Chamava-lhe Inkas!]

27

O noivo (em criança):

Teve uma infância feliz,
Numa família normal,
Foi saudável o petiz
Lá no seu Porto natal.

28

O noivo (em criança)

Lourinho, tinha melena,
Parecia um querubim,
Cortá-la, foi uma pena,
Mas tudo tem o seu fim.

29

O noivo (em criança)

No tempo em que andou na escola,
Dizem que muito se ria,
Mas gostava mais da bola
E de ser o Vitor Baía.

30

O noivo (na adolescência)

O Ayrton, campeão,
Marcou-lhe a puberdade,
Ficará no coração,
Como exemplo de heroicidade.

31

O noivo (na adolescência):

Outro sonho foi correr mundo,
Ser o Senna do kartódromo: 

É com desgosto profundo
Que o vê morrer no autódromo.

32

O noivo (quando jovem)

“Sou Soares e Carneiro,
Gente de carácter forte,
C’o meu espírito aventureiro,
Irei sempre tentar a sorte.”

33

O noivo (quando jovem)

Por cada porta fechada
Há mais duas por abrir:
“Pai, não quero a tua mesada,
Pró Brasil vou partir.”



34

O noivo (quando jovem)

Não chores, minha mãe Ana,
Qu’ eu vou ser um grande surfista,
Mestre por Copacabana,
Do amor, especialista.

35

O noivo (quando jovem)

“Estão à espera cá do doutor,
As garotas de Ipanema;
Que vida bela, Senhor,
Mais bela que no cinema!”

36

O noivo (quando jovem)

“E em Palermo, outra sabática,
Onde muito aprendi,
Foi lição teórico-prática,
Ao Erasmus agradeci.”

37

O noivo (quando jovem)

Vocação p’ra medicina ?
Isso são cantigas e lérias,
Bons hotéis com piscina,
É o que ele só queria nas férias.


38

O noivo (quando jovem)

“Mas o Porto tem outra magia
P’ra viver e p’ra estudar,
Em passando a anatomia,
O curso vou acabar.”

39

O noivo (quando jovem)

“Na Tuna do Orfeão,
Cantei, toquei, encantei,
Foi outra grande paixão,
Viajei e namorei.”

40

O noivo (quando jovem)

Muitas noites mal dormidas,
Olheiras fundas, cansaço,
Exames, horas sofridas,
Uma só vontade d’aço.

41

O noivo (quando jovem)

“Mas cheguei à minha meta,
E acho que valeu a pena,
Como diz meu tio, poeta,
Nunca fui de alma pequena.”


42

O noivo (quando jovem médico)

Não acabou a fisiatria,
E ainda bem que trocou, [por imagiologia,]
Tirou o raio X à Sofia,
E com ela se casou.


43

O noivo (quando jovem médico)

P´rós amigos, é divertido,
O nosso Tiago, doutor,
P’ra Sofia, é mais que querido,
Da sua vida, o grande amor.

44

O noivo (quando jovem médico muito antes de tirar o raio X à Sofia)

O Tiago bem namora
Para logo se descasar,
Mas há de chegar a hora
De também o nó qu’rer dar.

45

O noivo (quando jovem médico, em 2007)

Pois, o grande herói, carago,
Deste ano, longo e épico,
Foi o nosso Doutor Tiago,
Da Família o novo médico.

46

O noivo (quando jovem médico, em 2012)

Vamos a ver se o Tiago gosta:
Bons augúrios pelo Natal,
Haverá moura pela costa,
Diz a bola de cristal!

47

O noivo (quando jovem médico, em 2013, já rico, santo e famoso e dono do palácio da rua da Sovela…)

O apóstolo Tiago,
Que há-de ser santo nas Compostelas,
Está agora cheio de bago,
A ver barrigas e costelas.

Rapaz solteiro e portista,
Tem casa nova na Baixa, [, na rua da Sovela,]
O nosso imagiologista,
Que pagou com dinheiro em caixa.


48 


O noivo (quando jovem médico, em 2014, apaixonado, segundo a bola de cristal…)

Quem tem moura encantada,
Dizem, é o nosso Tiago,
Anda muito bem guardada,
Que o diabo... é do carago!



49

O noivo (quando jovem médico, em 2016, sortudo…)

Quem não falta é o nosso vidente,
Com a sua mais que tudo,
Tiago, lês o corpo da gente,
Estás feliz e és um sortudo.

50

A última, p’rós dois, Sofia e Tiago, "just married":

Sempre (e)ternos namorados,
Mas agora já bem casados,
Sob os eflúvios juninos,
Venham de lá esses meninos.



Vila Nova de Gaia, Quinta do Jordão, 

19 de junho de 2019

O tio poeta, Luís Graça 

( que veio da Lourinhã)

22 abril 2019

Viva o compasso pascal!

Viva o compasso pascal!


Mais um ano, mais uma visita
Deste compasso pascal,
É uma festa bem bonita,
E que nunca é igual.

E que nunca é igual
Logo vem outro, se falta algum,
Renova-se o pessoal,
Que aqui somos todos por um.

Que aqui somos todos por um,
Na alegria ou na tristeza,
Na fartura ou no jejum,
Cabendo todos à mesa.

Cabendo todos à mesa,
Onde não falta o anho assado,
Nesta casa portuguesa,
Onde honramos o passado.

Onde honramos o passado,
O presente e o futuro,
Se alguém está adoentado,
Tem aqui um porto seguro.

Tem aqui um porto seguro,
Damos valor à amizade,
Às vezes o rosto é duro,
Mas o resto é humildade.

Mas o resto é humildade,
Viva o compasso pascal,
E a nossa fraternidade!...
Boa Páscoa, pessoal!

Boa Páscoa, pessoal,
Boa saúde e longa vida,
À Ti Nitas, em especial,
Que nos é muito querida!

Quinta de Candoz,
segunda feira de Páscoa,

22 de abril de 2019

06 abril 2019

Parabéns, Gusto e Nitas"...45 anos de casados!... Que continuem a ser felizes!




Lisboa >  MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecologia >  17 de junho de 2018 > A Nita e o Gusto, frente ao Tejo, a ponte 25 de abril e o Cristo.Rei, em Almada, na margem esquerda


Lisboa > Estuário do rio Tejo > 17 de junho de 2018 > Uma fragata com o sugestivo nome "Sejas Feliz"... A Alice, eu, o Gusto e a Nitas tínhamos acabado de chegar de um cruzeiro pelo Mediterrâneo... Foto tirada do MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.



Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados


Soneto de parabéns, ao Gusto e à Nitas, pelos seus 45 anos de casados




Gusto, quarenta e cinco anos de casados

Até parecem pena de prisão pesada,

Junta-lhe agora mais nove de namorados,

E aí tens uma história bem contada.



“História bem contada e melhor vivida”

− Diz a Nitas, deste filme a atriz principal −

“E o segredo é, com conta, peso e medida,

Dosear o amor e nada de fazer mal”…



Ao outro, nosso companheiro, companheira:

Os que se amam também bulham mas nunca mentem,

Esta é a lição de uma vida inteira.



“Qu’ a prisão, mesmo dourada, é a rotina”

− Diz o Gusto, o outro ator 
−  “Experimentem!

O resto é só p’ra nós…, e aqui fecho a cortina!”




Parabéns aos nossos pombinhos, algures em Monção!

Muita saúde e longa vida, que vocês merecem tudo!

Lourinhã, 6 de abril de 2019

Luís e Alice

01 março 2019

Parabéns, Gusto, muita saúde e longa vida porque tu mereces tudo!


Veneza, 16 de junho de 2018, a bordo do MSC Poesia


Atenas, Acrópole, 13 de junho de 2018 > Gusto, Chita e Nitas


Atenas, Estádio Olímpico, 13 de junho de 2018 >  Nitas


Albânia, Saranda, 14 de junho de 2018 >  Gusto e Chita

Croácia, Dubrovnik > 15 de junho de 2018 >
O Gusto no camarote do MSC Poesia, visto do cais (1)


Croácia, Dubrovnik > 15 de junho de 2018 >
O Gusto no camarote do MSC Poesia, visto do cais (2)


Lisboa, MAAT, 17 de junho de 2018 > A Nita e o Gusto (1)


Lisboa, MAAT, 17 de junho de 2019 > A Nita e o Gusto (2)


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados



Parabéns, Gusto!


Gusto, querido amigo e cunhado,
Os setenta e dois já ninguém nos tira,
Nem as doces lembranças do passado,
Histórias com verdade e mentira.

Vamos vivendo um ano de cada vez,
Já com alguns remendos e mazelas,
E pró ano são setenta e três,
Esperemos lá chegar co’ as nossas donzelas.

E tu que és médico não diplomado,
Sabes bem que a saúde é gestão
Do que nos faz mal e logo é pecado.

Mas hoje a tua vida festejamos,
E é do mais fundo do coração,
Que o melhor da vida te desejamos.


Alfragide, 1 de março de 2019,

Luís, Alice, Joana, João

24 fevereiro 2019

No almoço dos 80 anos do nosso mano mais velho, o Tó Carneiro




Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Candoz> Circa 1965 > O nosso António, o mano mais velho, nascido em 1939.... Depois de regressar do Brasil, aos 24 anos, teve de cumprir o serviço militar. Estamos em meados dos anos sessenta. Com a especialidade de Magarefe, da Manutenção Militar, foi mobilizado para Moçambique.  m Tete, o António sofreu um grave acidente com uma pistola-metralhadora ligeira, uma UZI, disparada acidentalmente por um camarada... Milagrosamente salvou-se. Hoje é um DFA - Deficiente das Forças Armadas (com cerca de 2/3 de incapacidade).

Depois do seu regresso do Hospital Militar Principal, em Lisboa,  a família recebeu  visita de um sargento da sua unidade, o Sargento Touguinha, que foi para o António um verdadeiro anjo da guarda. Sem a a acção dele, provavelmente o nosso mano não se teria salvo. Infelizmente, hoje já falecido, ao que sabemos.

Na foto, podemos ver da esquerda para a direita, o António, de cigarro na boca, o Touguinha e a esposa, a Nitas (que deveria ter 18 anos), a Fernanda (vizinha, filha do sapateiro), o pai Carneiro (fazendo as honras à casa, com o copo e a caneca de vinho na mão), a Alice e a Rosa (já casada, a viver no Porto)... As criancinhas são as filhas da Rosa (e do Quim), a Zeza (a mais velha), junto à mãe, e a Natália. Por este pormenor, deduz-se que a foto terá sido tirada no Verão, na época das férias. Por outro lado, o pai Carneiro estava com os socos com que costumava andar no campo, a regar o milho. A foto deve ter sido tirada com tripé e temporizador ou por alguém também presente nessa ocasião.

 Foto do álbum do blogue A Nosssa Quinta de Candoz . Todos os direitos reservados.


Para ti, mano, que fazes amanhã  80 anos, 
a melhor prenda que os teus manos te gostariam de poder dar...


A melhor prenda para ti, mano Tó,
É uma que não te podemos dar,
Não serve para nada, é tão só
Um bem sem preço, não dá para trocar.

Adivinha que prenda será esta,
Não serve para comer nem beber,
Mas sem ela não és feliz, nem há festa,
Nem tempo p'ra os bisnetos ver crescer.

Chegaste hoje a uma bonita idade,
Tens sido um grande resistente,´
Mano querido da nossa irmandade.

Essa prenda de que aqui falamos,
É... a saúde, é não estar doente,
É a melhor que nós hoje te desejamos.


Maia, Restuarante Quinta das Raparigas,
almoço de 80º aniversário do Tó Carneiro (n. 25/2/1939),
Os manos e cunhados Alice e Luís, Nitas e Gusto, Rosa e Quim, Zé e Teresa, Manel e Mi


15 janeiro 2019

Boa continuação da viagem, ti Nitas!


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
A 174 m acima do nível do mar,  vista panorãmica, a 360 º 


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro >  
Um parzinho que veio do Porto


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
E que bem  que eles estão!


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
O grupo: a Nitas, a Laura, a Alice e o Gusto 
(os três últimos de costa)


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
As manas queridas



Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
Lisboa, praça do Martins Moniz (em primeiro plano... 
aqui é que é ou era o coração da... Mouraria)


Lisboa > Torre das Amoreiras > 1 de janeiro de 2019 > Miradouro > 
Nitas, Alice e Laura


Lisboa > São Vicente (Graça) > Miradouro da Sra do Monte
1 de janeiro de 2019 > Um dos sítios "secretos" de Lisboa, 
junto a uma capelinha  que lhe dá o nome... e que é de finais do séc. XVIII.



Lisboa > São Vicente (Graça) > Miradouro da Sra do Monte
1 de janeiro de 2019 > Um dos sítios preferidos dos parzinhos 
apaixonados... Mas os tuc-tuc agora são uma "parga"...


Lisboa > São Vicente (Graça) > Rua Senhora do Monte
1 de janeiro de 2019 > O João e a Catarina moram aqui, 
a 100 metros do miradouro


Lisboa > São Vicente (Graça) > Calçada do Monte > 
Restaurante Giro Sabores do Mundo > 1 de janeiro de 2019 > 
 Aqui há sushi!, disse o tio Gusto e,,, gostou!...


Lisboa > São Vicente (Graça) > Calçada do Monte > 
Restaurante Giro Sabores do Mundo  > 
1 de janeiro de 2019 >  Rodísio de sushi: as manas também gostaram... 
Até o fotógrafo, que é alérgico, provou!

Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados.  




Boa continuação da viagem, ti Nitas!





Sete e dois são nove, fora nada…

Diz a jovem aniversariante:
“Sou mãe, avó e esposa bem amada,
E quero continuar adiante.

“Não posso, ao relógio, fazer ‘reset’,
Nem voltar ao ponto de partida, 
Agora só conto de sete em sete,
E dou graças a todos e à vida.”

Querida mana e tia, pois aqui tens, 
A nossa poética homenagem:
Não são versos de simples parabéns,

Neles vão gigas e gigas d’ amor,
Votos de saúde e boa viagem,
C’o São Gusto ao lado, teu protetor.



Alfragide, 15 de janeiro de 2019



Tua mana Chita, teu cunhado e amigo Luís,

Teus sobrinhos Joana e João



PS - Gostámos muito de vos ver por cá, 

na passagem do ano... 

Dada a raridade..., é sempre um privilégio!

















Sintra > Colares > Azenhas do Mar >  31 de dezembro de 2018 > 
A Ti Nitas não conhecia  este lugar mágico da nossa costa... 
O Ti Gusto, já a chocar uma 'gripalhada',
ficou no carro.. A Laura foi visitar uma amiga 
que vive perto da Praia das Maçãs, viúva do filósofo Fernando Belo.
recentemente desaparecido.
Nós tivemos o privilégio de "assistir" a (e "curtir") 
o último pôr do sol do ano.

Fotos (e legenda): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados.


PS - Para o Tio Gusto, o nosso grande especialista em matéria de vinhas e vinho, aqui fica este apontamento curioso sobre as Azenhas do Mar, terra e mar onde  se cultiva, incrível, um vinho que é único, o Colares!...

(...) O desenvolvimento das Azenhas como estância balnear ocorreu em meados dos 30, quando a 31 de Janeiro de 1930, foi inaugurada a linha do Eléctrico do Banzão até às Azenhas do Mar. Segundo a tradição local, inauguração esteve envolvida em grande festa, com um dos homens amantes da terra, o "Tota", a colocar o chafariz do Arcão a deitar o famoso "Vinho de Colares".

Para a produção do Vinho de Colares, cultivam-se nas Azenhas as uvas "Ramisco", que eram plantadas em covas no solo de areia (para fazer os buracos, os agricultores protegiam-se com cestas de vime em torno do buraco, não fosse uma derrocada tirar a vida a alguém), para chegar ao barro húmido, covas que chegavam a ter 10 e mais metros de profundidade, e era ai que colocavam os bacelos para que dentro de anos começassem a brotar à superfície, chegando esta fase teríamos que esperar mais uns bons 6 a 7 anos, guiando com carinho a vinha rente à areia para que o calor da mesma acelerasse a maturação das uvas, em vinhas viradas ao mar, em pequenas parcelas de muros de pedra solta. (...)

Fonte: Wikipedia Azenhas do Mar (com a devida vénia...)

Para quem quiser saber mais o vinho de Colares ( o mais caro do país...), leia aqui este artigo do Público >   Colares, a teoria de Darwin aplicada ao vinho
Por Pedro Garcias
02.08.2014