08 setembro 2008

Adivinhem quem faz anos hoje ? ... O nosso Zé!

Quinta de Candoz > 22 de Dezembro de 2006 > O Zé a podar...

Quinta de Candoz > 26 de Abril de 2008 > O Zé falando com a videira...

Quinta de Candoz > 26 de Abril de 2008 > O Zé e os seus inseparáveis companheiros de sábados: O Gusto, à esquerda, o Adriano, à direita... Falta cá, na foto, o Quim... Cautelas com a saúde tem-no afastado ultimamente do nosso convívio. (Desejamos-lhe rápidas melhoras.)

Quinta de Candoz> 26 de Abril de 2008> O Zé, pau para toda a obra...

Texto e fotos: © Luís Graça (2008). Direitos reservados.


Parabéns ao Zé!


É uma jóia de moço
O mano José Carneiro,
No rabo tem alvoroço,
E em Candoz é o primeiro.

Também gosta de reinar,
E nada tem de paspalho,
É o primeiro a chegar,
É um mouro de trabalho.

Com caldo e muito alho,
Vive feliz e saudável,
Cebolinha, só do talho,
E de fritos… só o sável.

Não leves a mal, Teresa,
Que festa é ... pum, pum, pum,
Tu que és uma princesa,
E o Zé... o três em um.

Foi nascer o nosso Zé,
Na festa do Castelinho,
Diz-nos lá como é que é
Ser agora um homenzinho.

Sessenta ninguém te dá,
Nem com brancas no cabelo,
Sê feliz agora e já,
Sê Carneiro, e não... Camelo!

07 setembro 2008

O nosso pachorrento e inofensivo ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus )








Foto e vídeo (1' 54''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo alojados em: You Tube >Nhabijoes

Foi encontrado, no meio da lenha, no dia 30 de Agosto de 2008, por volta das 10h20, mum sábado em que procedíamos à arrumação do barraco da lenha.

O ouriço-cacheiro (nome científico, Erinaceus europaeus) é um pequeno mamífero, insectívoro. É perfeitamente inofensivo.

Existe por todo o país. Em Lisboa, por exemplo, pode ser encontrado no Parque Florestal de Monsanto. Eis o que diz esta página:

"O Ouriço-cacheiro é o único mamífero da fauna portuguesa que tem o corpo coberto por espinhos (cerca de 6 mil), que não são mais que pêlos modificados. Estes pêlos, bastante aguçados, têm entre 2 e 3 cm e cobrem o animal no dorso e flancos. O ventre, castanho-acinzentado, está coberto de pêlos.

"Quando se sente ameaçado, enrola-se sobre si próprio, escondendo as suas pequenas patas e as áreas sem espinhos, e transforma-se numa 'bola com picos', bastante difícil de penetrar. A cabeça distingue-se facilmente do resto do corpo, os olhos são grandes, as orelhas são relativamente pequenas e possui uma cauda rudimentar.

"O seu comprimento varia entre 20 e 35 cm e a cauda entre 10 e 20 cm. Os adultos pesam em média 700 g, podendo este valor variar entre 400 e 1200 g. Um animal que não possua, pelo menos, entre 500-600 g terá dificuldade em sobreviver ao período de hibernação.

"Alimentam-se essencialmente de insectos (gafanhotos, escaravelhos, moscas, etc.) e também de minhocas e caracóis. Ovos de aves, pequenas rãs e répteis, cereais e frutos silvestres, tudo pode fazer parte da sua alimentação.

"A época de reprodução ocorre de Abril a Agosto, podendo existir duas ninhadas por ano, com picos de nascimento em Maio-Julho e Setembro. O período de gestação é de 12 a 13 semanas, após o que nascem 4-6 crias, embora possam nascer entre 2 e10. As crias nascem de olhos fechados e peladas, mas ao fim de poucas horas despontam os primeiros espinhos, abandonando o ninho após 22 dias.

"Quando o alimento escasseia, e a descida da temperatura torna incomportável a manutenção da temperatura do corpo, o ouriço hiberna. Antes de hibernar, os animais têm que engordar para ter energia suficiente para o período de hibernação, durante o qual ocorrem uma série de alterações:

- ficam frios ao toque, tendo a sua temperatura diminuído de 35ºC para 9ºC;
- ficam imóveis;
- a respiração pára durante longos períodos de tempo (respiram 1 a 10 vezes por minuto);
- o ritmo cardíaco passa de 190 para 20 batimentos por minuto;
- o funcionamento dos órgãos internos é reduzido de modo a poupar energia.

"Estando mais vulnerável a predadores enquanto hiberna, o ouriço escolhe cuidadosamente o local para o fazer, construindo um ninho em buracos, em troncos de árvores, no solo ou em rochas"(...).

Em Portugal, no campo, ainda há muitos preconceitos contra este pequeno mamífero, pachorrento e simpático que, nas fábulas, faz o papel de 'bom rapaz'... Dizem que é uma iguaria entre a etnia cigana. É vulgar ser morto e queimado pelos nossos agricultores. Também o vemos nas nossas autoestradas, esmagado pelos carros. É atraído pelo calor do alcatrão.

Fazemos votos para que o nosso ouriço-cacheiro continue a ter bons encontros, como o nosso... E já agora quem sabe mais sobre este simpático bichinho ?

28 agosto 2008

Efemérides: Recordando o casório do Jorge e da Paulinha, em 28 de Agosto de 1999

Viv' os noivos, vivam todos
Os amigos que aqui estão,
Uns são mouros, outros godos,
Fazem bela união.

Fazem bela união
O Jorge e a Paulinha
Que hoje deram a mão,
Para o resto da vidinha.

Para o resto da vidinha,
Deram o nó a preceito,
Numa velha igrejinha,
Com os amigos do peito.

Com os amigos do peito,
Os dois Ruis mais o Vitor;
O casamento está feito,
O resto é só amor.

O resto é só amor,
Já cá temos a Carolina
É uma jóia, é uma flor,
Uma querida menina

Uma querida menina,
Diz o pai, Jorge Dinis,
O amor é uma mina
P'ró economista f'liz!

P'ró economista f'liz
Amor vem sempre primeiro
A Paula assim o quis,
Com a benção do Carneiro

Com a benção do Carneiro,
No vale dos Raposinhos
Não falte paz e dinheiro
A este par d'amorzinhos

Boda do casamento e baptizado,
28 de Agosto de 1999

Os amigos da mesa seis

Rosa Carneiro
Alice Carneiro
Ana Carneiro
José Carneiro
+ Quim, Luis, Gusto e Teresa
José Carneiro
Augusto Soares

18 agosto 2008

Adivinhem quem faz anos hoje ?... A nossa Chita

Aforismos de Agosto
(a pensar em ti)


Agosto é vento,
É areia,
É sal,
Contra as pálpebras dos marinheiros
Que morreram nos teus sonhos.
Nunca deixes morrer os sonhos.
Os teus sonhos.
Nem os marinheiros de olhos azuis
E cabelos louros ao vento
Que subiam os mastros dos navios
Do teu museu do mar, imaginário.

Tu que vieste com o vento norte,
Ganhas novo fôlego e alento
E outra leveza
Ao perfazeres os dez mil passos
Diários, matinais, no areal.
Para que o corpo não crie raízes.
E a gente possa desfrutar a beleza
Da enseada de Paimogo.

O melhor de Agosto
São as esplanadas
Das pequenas terras de Portugal,
À beira mar.
Tão cheias de nadas,
Tão saloias,
Tão pimbas,
Tão belas.
Conheci-te numa delas.

Agosto são os escorpiões tatuados
Nos corpos
Das petites filles portugaises
Que voltam à terra dos avós.
Agosto são as alegrias e as vertigens
Do regresso.
Porque voltamos sempre às origens.

Os únicos que têm de vencer
São os surfistas.
Vencer a onda,
O vento,
A areia,
O sal.
Não temos que destruir para vencer.

Agosto é também
O puro desejo da mãe
Pelo filho incestuoso.
Lânguidas mamãs,
De mamas flácidas.
São focas estiradas ao sol.
São focas.
São fofas.
Como é bom também ser mamã,
E foca
E fofa
E babada.

O melhor de Agosto
É teres o dia todo
Por tua conta,
O dia, a semana, o mês.
Os dias úteis do mês.

Mas o melhor de Agosto é o teu dia.
Dezoito.
E estamos cá todos,
A apaparicar-te,
Eu, há trinta e tantos anos,
O João, há vinte e quatro.
A Nitas, o Gusto, a Glória…
E os muitos amigos
Que te adoram
E que te dão um toque de telemóvel.
A Joana não está
Mas deu sinais de vida e de amor por ti.
Deixa que os que gostam de ti,
Te apapariquem.

Luís Graça

Lourinhã,
Rua da Misericórdia, 18 de Agosto de 2008.

29 julho 2008

Parabéns, Quim, pelas tuas 74 primaveras... em dia também da Festa de Nossa Senhora do Socorro: 26 de Julho


26 de Julho de 2008... Faz anos o Quim: 74!!! Uma bela idade, ainda por cima com um coração novo... É também a festa de Nossa Senhora do Socorro. Os Bombos 4 Estações, da freguesia de Paredes de Viadores, Marco de Canaveses (Telefone 255 582 038), acompanhavam os mordomos da festa na recolha de contribuições.

Um dos dois mordomos que aparecem na foto, o mais novo, é o nosso primo, o Pinto. Parabéns também a ele e aos restantes mordomos por manterem viva aquela que é, porventura, a seguir à festa da sede do concelho, a maior e a melhor festa anual do Marco de Canaveses. O fogo de artifício deste ano, por exemplo, agradou plenamente ao povo da terra e aos forasteiros.... Ao som da música do grego Vangelis, o fogo de artfício foi de nível internacional...

Vídeo (4' 39''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo alojados em: You Tube >Nhabijoes. (Em caso de deficiente visionamento ou carregamento do vídeo, clicar, no You Tube > Nhabijões, em watch in high quality ).

24 julho 2008

As nossas cerdeiras (... ou cerejeiras)


Cerejeiras em flor... Quinta de Candoz, Lugar de Candoz, Freguesia de Paredes de Viadores, Concelho de Marco de Canavezes, Segunda feira de Páscoa, 24 de Março de 2008... No vídeo, aparece o Gusto e o Joaquim, este último à conversa com o autor do vídeo.

Vídeo (2' 55''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo alojados em: You Tube >Nhabijoes



Cerejeira ou cerdeira ? O dicionário Houaiss de Língua Portuguesa não regista o vocábulo cerdeira, muito usado na região de Entre Douro e Minho, mas também no Alto Douro... Tomo a liberdade de transcrever aqui um belíssimo poema de um camarada e amigo meu, que é da Régua, o José Manuel Lopes, também produtor, de excelentes vinhos de mesa na Região Demarcada do Douro, na sua Quinta da Graça. Foi escrito no sul da Guiné, em 1973, em plena guerra (1):

O recordar dos sentidos

Como é bom ver
as flores das amendoeiras
as cerdeiras a florir
as flores das laranjeiras
as vinhas a rebentar
as flores dos pessegueiros
e as rosas do quintal
como é bom ver

como é bom sentir
o tacto duma pele macia
debaixo da nossa mão
o aconchego duns seios
para matar a solidão
como é bom sentir

como é bom ouvir
quem nos faça sorrir
o som da água a correr
o vento a soprar nas canas
como é bom ouvir

como é bom cheirar
o doce aroma do mosto
que se solta do lagar
ou o cheiro do fumeiro
naquela lareira a secar
como é bom cheirar

como é bom saborear
uma sopa quente do pote
uma sardinha na brasa
ou carne fresca a grelhar
como é bom saborear

como é bom falar
numa roda de amigos
ou num serão ao luar
cantar canções e poemas
até a noite acabar
como é bom falar

Guiné, Mampatá, 1973

josema

________

Nota de L.G.:

(1) Vd. Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné > poste de 22 de Julho de 2008 > Guiné 63/74 - P3084: Poemário do José Manuel (21): O recordar dos sentidos: como é bom ver, sentir, ouvir, cheirar, saborear, falar...

Vd. também 27 de Fevereiro de 2008 >Guiné 63/74 - P2585: Blogpoesia (8): Viagem sem regresso (José Manuel, Fur Mil Op Esp, CART 6250, Mampatá, 1972/74)

10 julho 2008

Parabéns, Tiago , o nosso menino de oiro, o nosso querido médico, que hoje faz 26 anos!






Região Autónoma da Madeira > Agosto de 1990 > Férias conjuntas das duas famílias, Alice & Luís, Gusto & Nitas... Nas fotos, os primos (dos mais novos para os mais velhos): João, Tiago, Luís Filipe e Joana... Foram umas férias de sonho... Alugámos um carro com o qual percorremos toda a ilha... Nessa altura, a Madeira ainda não era o queixo suiço que é hoje... O nosso Tiago tinha então 8 anos e estava longe de poder imaginar que, passados dezoito anos e muitos sonhos (em que ele quis ser tudo o que há neste e no outro mundo, desde jogador de futebol a piloto de karting), em 2008 seria médico e estaria a trabalhar no Centro Hospitalar do Funchal, a fazer o primeiro ano (comum) do Internato Complementar de Medicina...

Este menino de ouro orgulha-nos a todos. Em jeito de homenagem, fui ao baú repescar estas velhas fotos... O teu tio, que te quer muito, deseja-te um belo dia, na companhia dos teus queridos pais, Gusto e Nitas, mais a tia Rosa e o tio Quim, que estão contigo este fim de semana. Bem gostaríamos, todos nós, de estar aí também na tua festa.

PARABÉNS!!! Os tios Luís e Alice, os primos Joana e João. Temos muitas saudades tuas.


Região Autónoma da Madeira - Jardim Botánico > 10 de Julho de 2008 - 18 anos depois das fotografias acima > O Tiago no dia do seu 26º Aniversário com a Mãe, a tia Rosa (Madrinha) e o tio Quim (Padrinho).


Fotos: © Luís Graça (2008) e Augusto Pinto Soares (2008). Direitos reservados.

PS - Já agora visita o meu blogue e vê, em vídeo, a actuação do João e da banda dele no Cabaret Maxime, de Lisboa. Ele ficou todo babado, porque a casa estava a abarrotar... É um sítio mítico de Lisboa. Os Melech Mechaya lançaram oficialmente o seu EP (com cinco temas, dos quais três originais, sempre dentro da música instrumental klezmer)... Além dos/as muitos/as amigos/as e colegas (incluindo os/as da Faculdade de Ciências Médicas), ele (e o grupo) teve a presença especial da talentosa, belíssima, fabulosa actriz, em meteórica ascensão, Soraia Chaves, irmã de uma amiga dele... Os Melech Mechaya estão em forma e recomendam-se. No dia 18 de Julho irão actuar à LOurinhã e em em Agosto estarão nos Açores. Como deves imaginar, com tudo isto o médico sofre enquanto o violinista goza...

7 de Julho de 2008 > Guiné 63/74 - P3028: Eu, o Jorge Cabral, o António Graça de Abreu e... o Levezinho, no velho/novo Maxime, com os Melech Mechaya (Luís Graça)

01 julho 2008

Mensagem dos pais do Luís e sogros da Alice, agora no Lar e Centro de Dia de N.Sra. da Guia, Atalaia, Lourinhã



Lourinhã > Atalaia > Lar e Centro de Dia de Nossa Senhora da Guia > 27 de Junho de 2008 > Ps pais do Luís e sogros da Alice... Agora no ocaso da vida (o Luís Henriques, com 87 anos; a Maria da Graça, com 85), ficaram institucionalizados (um eufemismo para se dizer que os nossos velhos foram para um lar)...

O seu novo lar agora é na Atalaia, junto ao mar, a menos de três quilómetros da Lourinhã... Ao fim de cinco dias, pareciam estar bem... São o único casal que está no Lar, e têm só para eles um quarto privativo, com vista para o mar e as Berlengas...

Quiseram deixar aqui um depoimento, filmado para os netos de Lisboa, o João e a Joana (que ainda os não puderam visitar) e para os amigos do Norte, que sempre os trataram tão bem... Ficarão radiantes quando receberem uma visita do pessoal de Candoz, o tio Quim e a tia Rosa, o tio Gusto e a tia Nitas, o tio Manel e a tia Mi, o tio Zé e a tia Teresa, o tio António e a tia Graça, e mais a sua farta descendência...

Gente amiga, do melhor...
Vejam lá a minha sorte!
Fui tratado como um senhor,

Quando lá estive, no Norte!




video

Vídeo (4' 19''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados.

15 junho 2008

London Eye / O Olho de Londres....


Londres, 9 de Junho de 2008. O Gusto, a Nitas, a Alice e o Luís, turistas em Londres... Uma experiência inolvidável. Uma viagem de 30 minutos na maior roda de observação panorâmica do mundo, situada na margem sul do Rio Tamisa, entre a Ponte Westminster, a oeste, e a Ponte Dourada do Jubileu, a leste. A 135 metros de altura, tem-se uma vista fabulosa de Londres, até a uma distância de 40 km. Peso da estrutura: 2100 toneladas. Velocidade: 0,26 m/s. Número de cápsulas: 32. Nº máximo de passageiros do cápsula: 25. Preços (para adultos) entre as £ 15,5 e as £ 12 (seniores, 60 ou mais anos).

Já se tornou o monumento mais visitado do mundo: mais de 30 milhões (recorde batido em 5 de Junho de 2008), cerca de 3,5 milhões por ano. Para saber mais, vd. Para saber mais:

http://www.londoneye.com/

Vídeo (4' 42''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo alojados em: You Tube >Nhabijoes

04 maio 2008

Ao Luís Filipe, o novo doutor da família

Porto > Hotel Ipanema > 4 de Maio de 2008 > A Zezinha lendo os versos dedicados ao Luis Filipe que lhe foram enviados pelos tios e primos de Lisboa:Luis, Alice, Joana e João.



Porto > Hotel Ipanema > 4 de Maio de 2008 > A Zezinha a entregar (após a sua leitura) ao Luis Filipe, as folhas com os versos enviados pelos tios e primos de Lisboa, com a assistência a aplaudir.


Adeus, vida de estudante,
Que eu agora sou doutor,
Já não sou mais um tunante,
Nem aturo mais professor.

Quis ser um contabilista,
Mas encalhei no POC,
Cheguei a ser finalista,
Fui tramado por um escroque.

As saudades do ISCAP
Vão todinhas para a Tuna,
Minha amante, meu escape,
Minha ‘stôra, minha aluna.


Porto > 9 de Maio de 2007 > XX F.I.T.A > A Tuna do ISCAP a actuar com o Luis Filipe a tocar viola e a cantar.


Com muito engenho e arte,
… E um grãozinho na asa,
Levámos a toda a parte
O melhor da nossa casa.

Cerveja a rodo nos bares,
Muita música e poesia,
Muitas danças e cantares,
Era a Tuna da alegria.


27 de Abril de 2000 > Digressão da Tuna do ISCAP aos Estados Unidos. 1ª Página do Jornal "The Herald News" aquando da actuação da Tuna no Dia de Portugal no Colégio da Comunidade Portuguesa de Bristol. Tradução da Legenda das Imagens: "José Miguel Loucano Teixeira, acima, dança à frente da Tuna durante a celebração do Dia de Portugal no Colégio da Comunidade Portuguesa em Bristol. Abaixo, Luis Carneiro Pinto Soares conversa com a audiência durante as festividades."

Da China, Austrália, Brasil,
Guardo as melhores memórias,
Era ainda um juvenil,
Quando for sénior conto as estórias.

Foi na Marinha de Guerra
E talvez por ser fedelho,
Que fiquei de vez em terra,
Pr'a tristeza do meu velho

Andei na Escola Naval,
Não gostei, achei ridículo,
Não me fez bem nem fez mal,
Mas não pus no meu currículo.

Sou do Porto, sou morcão,
Bom filho, e bom rapaz,
Sou Luís, o Filipão,
O ISCAP ficou p’ra trás.

Gestão empresarial
Agora é o que está a dar,
Com o mercado global,
Vou ter sorte… ou ter azar.

Pessoa é o bom patrono
Desta universidade,
Do canudo já sou dono,
Vou ficar nesta cidade.

A família vou juntar,
Grande festa, coisa boa,
Há uma ausência a lamentar,
A da malta de Lisboa.

Mandaram-me estes versinhos,
Os meus tios e os meus primos,
Sempre muito queridinhos,
Estragam-me com os seus mimos.

A maior satisfação
É ter cá o mano Tiago,
P’ra mim, é uma lição,
E um amigo do carago!

Só me faltava a casinha
Para juntar os trapinhos
E co'a minha Susaninha
... Ter um bando de filhinhos!

Aos meus pais muito agradeço
O que fizeram por mim,
E aos meus amigo só peço:
Sede as flores do meu jardim!


Com um grande xicoração dos tios e primos de Lisboa.

P’ra ti, Filipe, muito em especial, p’ra tua Susana, p’rós teus pais, o teu mano, demais família e amigos. Divirtam-se.

Filipe, que pena e que inveja não podermos estar aí hoje contigo!

Lisboa, 4 de Maio de 2008.


Porto > Universidade Fernando Pessoa > 4 de Maio de 2008 > A Luisa, Madrinha de Curso do Luis Filipe, a preparar-se para a Imposição de Insígnias, com a Susana a assessorar.




Porto > Universidade Fernando Pessoa > 4 de Maio de 2008 > A Imposição de Insígnias.


Porto > Universidade Fernando Pessoa > 4 de Maio de 2008 > A Madrinha (Luisa) dando as três pancadas da praxe (desejo de felicidade) após a Imposição de Insígnias .


Porto > Universidade Fernando Pessoa > 4 de Maio de 2008 > A Susana dando as três pancadas da praxe.




Porto > Cortejo da Queima - Avenida dos Aliados > 7 de Maio de 2008 > O Luis Filipe cartolado recebe o abraço de parabéns da Mãe depois de levar as 3 pancadas da bengala na cartola.




Porto > Cortejo da Queima - Avenida dos Aliados > 7 de Maio de 2008 > O Luis Filipe cartolado com a Mãe, o Pai e o irmão Tiago que veio da Madeira em tempo de assistir à Queima do irmão.




video


Video de uma parte da actuação da Tuna do ISCAP durante o XXI FITA realizado no Coliseu do Porto em 7 de Maio de 2008 e integrado no Programa da Queima das Fitas de 2008. Nesta actuação, o Luis Filipe (cartolado) terá provavelmente tido a sua última participação enquanto Tuno na Tuna do ISCAP.

Fotos, vídeo: Augusto Soares (2008). Direitos reservados.

11 março 2008

O meu Muito Obrigado à equipa que me operou ao coração no dia16/2/2008

Aproveito este espaço para vir, publicamente, agradecer à equipa que me operou no dia 16/2/2008, no Hospital Santos Silva, de Vila Nova de Gaia, superiormente chefiada pelo Exmº Sr. Dr. Paulo Ponce, coadjuvado pelo Exmº Sr. Dr. Miguel Guerra e pela Exmª Srª Dra. Paula Fernandes (anestesista). Neste agradecimento à equipa estão incluídos mais dois elementos, enfermeiros, cujos nomes lamentavelmente não fixei mas de cujo profissionalismo e humanidade só posso dizer o melhor.


Não posso esquecer, além disso, o Exmo. Sr. Dr. Vasco que me observou, me acompanhou nos diversos exames e depois me encaminhou para o serviço de cirurgia.

Tratou-se de uma cirurgia ao coração para substituição da válvula mitral por uma prótese biológica. Tudo correu às mil maravilhas. Eu ajudei com a minha boa disposição, mas todo o sucesso da operação é mérito da competência e empenhamento desta fantástica equipa que me devolveu a saúde e a alegria de viver.

Nesta ocasião, eu pensei neles todos, em todos os que me ajudaram a superar o meu problema de saúde, a equipa que me operou, a minha querida família, a minha mulher e os meus filhos, genros e netos, toda a de mais família e os todos os meus amigos, que sempre me apoiaram, dedicando-lhes estas singelas palavras:

"Todos os dias nos devemos vestir com a gravata da alegria e o fato do sorriso, num corpo sempre banal, para a festa da vida, e que a simplicidade e a felicidade sejam jóias para adornar a elegância da nossa alma".

"Se ajudarmos a resolver os problemas dos outros, resolvemos melhor os nossos.

"Sofro quando vejo que o meu nada é o tudo que tenho para deixar aos outros e dar a Deus. Por que Deus não precisa de nada. Não precisa sequer de ser defendido. Apenas quer ser respeitado por todos e amado por aqueles que o quiserem".


Bem hajam todos!

Não sou Aleixo nem Pessoa
Nem tão pouco Camões,
Graças aos cardiologistas
Que reparam corações!


Joaquim Vieira Marques Barbosa

Padrão da Légua - Matosinhos

16 fevereiro 2008

A vida é bela, Quim ! - diz a Rosa





14 fevereiro 2008

Lisboa, à beira Tejo, em Dia de São Valentim: Um (e)terno namorado

Lisboa > Rio Tejo > Margem Direita > Fevereiro de 2008.

Foto: © Luís Graça (2008). Direitos reservados.

Para a Chita,


Um dia vou ter pena de morrer,
Só por ti
E pelo azul da luz de Lisboa
Nas manhãs perfeitas de domingo.

Um dia vou ter pena de partir,
Não pelo que não vivi,
Mas só por que não namorei contigo
Nas horas e nas desoras
Dos dias em que o azul não era tão azul,
Nem os domingos tão domingos,
Tão perfeitos,
Como tu querias….

Ficarás na dúvida
Se eu afinal sempre era o teu príncipe,
Desencantado,
E tu a minha a chita,
A minha gata selvagem
E pouco borralheira,
Em busca do azul perfeito dos domingos
À beira Tejo.

Fora eu transparente como o céu de Lisboa,
Lúcido e translúcido,
Tão certo e tão previsível como o Domingo
Que é o Dia, perfeito, do Senhor,
E talvez tu nunca tivesses escutado
Os meus passos na rua estreita do teu bairro,
Nem sequer lido a letra do meu fado,
Ou estranhado a primeira e única carta
Que te escrevi.
De Amor.

O teu (e)terno namorado

Lisboa, Dia de São Valentim, 14 de Fevereiro de 2008

01 fevereiro 2008

Matança do porco e do anho > Edital da Direcção Geral de Veterinária

Amigos de Candoz & arredores:

Parece que, finalmente, algum bom senso voltou aos senhores da Direcção Geral Veterinária que vêm agora, em edital já deste ano, autorizar a matança do porco, do anho, do cabrito e da criação doméstica, fora dos estabelecimentos aprovados (matadouros), desde que para autoconsumo do produtor e da sua família, e no respeito de algumas regras elementares... Aqui fica o edital para vosso conhecimento e divulgação. (LG)


Direcção Geral de Veterinária
Ministério da Agricultura,
do Desenvolvimento Rural
e das pescas

Largo da Academia Nacional das Belas Artes, 2
1249-105 Libsoa
Telef. 21 323 95 00 / Fax. 21 323 95 01


EDITAL > MATANÇA DE ANIMAIS DAS ESPÉCIES SUÍNA, OVINA, CAPRINA, DE AVES DE
CAPOEIRA E DE COELHOS DE CRIAÇÃO, FORA DOS ESTABELECIMENTOS APROVADOS


Carlos Manuel de Agrela Pinheiro, Director-Geral de Veterinária, considerando que é necessário estabelecer normas respeitantes à matança, para autoconsumo, fora dos estabelecimentos aprovados, nos termos do disposto no n.º 2 do artigo 6º do Decreto-Lei n.º 142/2006, de 27 de Julho, faz saber:

1. É proibida a matança de bovinos e equídeos fora dos estabelecimentos aprovados.

2. É autorizada a matança de suínos, de aves de capoeira, de coelhos domésticos bem como de ovinos e caprinos com idade inferior a 12 meses, desde que as carnes
obtidas se destinem exclusivamente ao consumo doméstico do produtor bem como do respectivo agregado familiar, e sejam respeitadas as seguintes condições:

2.1 A matança deve ser realizada nas condições definidas no Decreto-Lei n.º 28/96, de 2 de Abril, relativo à protecção dos animais de abate, quanto à contenção, atordoamento e sangria dos animais e demais disposições aplicáveis;

2.2 O produtor procede ao registo da morte do animal destinado a autoconsumo, no livro de existências, cuja matança ocorra na exploração, excepto no que diz respeito às aves de capoeira e aos coelhos domésticos;

2.3 O baço e o íleo dos ovinos e caprinos não podem destinar-se ao consumo humano ou animal.

2.4 É aconselhável e pode ser solicitada inspecção sanitária efectuada por médico veterinário.

2.5 É expressamente proibida a comercialização ou a cedência das carnes obtidas nesta matança a terceiros. As carnes obtidas nesta matança não são sujeitas a qualquer marcação de salubridade, de identificação ou à classificação de carcaças.

3. É autorizada a matança tradicional de suínos, organizada por entidades públicas ou privadas, desde que as carnes se destinem a ser consumidas em eventos ocasionais, mostras gastronómicas ou de carácter cultural, respeitando as seguintes condições:

3.1 A matança deve ser realizada nas condições definidas no Decreto-Lei n.º 28/96, de 2 de Abril, relativo à protecção dos animais de abate, quanto à contenção, atordoamento e sangria dos animais e demais disposições aplicáveis;

3.2 Na realização da matança devem ser cumpridas as regras estabelecidas no Regulamento (CE) n.º 1774/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho de 3 de Outubro, e no Decreto-Lei n.º 122/2006, de 27 de Junho, no que se refere à eliminação de subprodutos de origem animal não destinados ao consumo humano;

3.3 Só podem ser abatidos animais que se encontrem identificados nos termos da legislação vigente e que sejam provenientes de efectivos que não estejam sujeitos a restrições sanitárias, devendo ser sempre assegurada a rastreabilidade dos animais e respectivos produtos.

3.4 É obrigatória a inspecção higio – sanitária ante e post-mortem dos suínos, cabendo aos organizadores da matança requerer, com a antecedência mínima de sete dias, a presença do médico veterinário municipal, sendo imputado aos requerentes o custo inerente à inspecção hígio-sanitária.

3.5 Cabe aos médicos veterinários municipais pronunciar-se sobre o local da matança, aprovar as carnes resultantes desta matança tradicional para consumo, mediante exame ante e post-mortem, podendo proceder-se à colheita de amostras destinadas à pesquisa de Triquinella spiralis bem como de outras amostras consideradas necessárias.

3.6 É expressamente proibida a comercialização ou a cedência das carnes obtidas nesta matança a terceiros que não participem no evento. As carnes resultantes da matança não são sujeitas a qualquer marcação de salubridade, de identificação ou classificação de carcaças.

3.7 As carnes que não sejam consumidas durante o evento devem ser encaminhadas como subprodutos nos termos do Regulamento (CE) n.º 1774/2002, de 3 de Outubro.

4. As infracções às determinações deste edital são puníveis nos termos, nomeadamente, do Decreto - Lei n.º 28/84, de 20 de Janeiro, do Decreto-Lei n.º 28/96, de 2 de Abril, do Decreto-Lei n.º 122/2006, de 27 de Junho e do Decreto-Lei n.º 142/2006, de 27 de Julho.

5. Este edital entra imediatamente em vigor, solicitando-se a todas as autoridades veterinárias, policiais, administrativas e seus agentes, que fiscalizem o seu integral e rigoroso cumprimento.

O DIRECTOR-GERAL

Carlos Agrela Pinheiro
(Assinatura)
Lisboa, 02/01/2008

29 janeiro 2008

Adivinhem quem faz anos hoje ?... Parabéns ao nosso...LUÍS!!!

Olá, Luís,

Antes de mais, muitos e muitos!!!!!!! parabéns pela passagem de mais um aniversário, na companhia de quem tu mais adoras: A tua mulher, os teus filhos e os teus pais, que por acaso se encontram neste momento contigo.

És um Homem cheio de sorte, mas tu também mereces tudo, porque és um bom marido, um bom pai e também um bom filho!... Sim, porque bom cunhado eu tenho a certeza, porque já usufruí muitas vezes de toda a tua bondade e entrega total. Bem hajas, meu querido cunhado, e obrigada por tudo que tens oferecido a todos nós; os teus versos lindos, as tuas palavras, as tuas fotografias, os teus Blogs, etc. etc....

Tenho pena de não estar presente para beber uma taça convosco, mas faz de conta que estamos presentes, ou então festejamos no Sábado.!!!!

Recebe um grande abraço da tua cunhada que muito te estima.

Anita

16 janeiro 2008

Com um brilhozinho nos olhos... (Anita)

Luis, Alice, Joana e João:

Acabei de chegar do nosso jantar, na Fundação Cupertino de Miranda - por sinal muito bom, só foi pena não poderem estar connosco.

Fui logo dar uma vista de olhos ao blogue e, como não podia deixar de ser, fiquei espantada com tudo que lá vi. O que a Joaninha fez (tão lindo, a tua (minha) fotografia e todo o teu e vosso relato.

Fiquei toda babada, como era de esperar, e ainda com uma lágrima ao canto do olho, por tanta manifestação de carinho.

O meu muitttto obrigada a todos vós.
Beijinhos para todos:
Da Mana, cunhada e tia,
Anita

15 janeiro 2008

Adivinhem quem faz anos hoje ?... Parabéns à nossa... NITAS!!!

Ilustração: © Joana Graça (2008). Todos os direitos reservados.

Foto (pormenor): autor desconhecido. A Senhora Engenheira quando jovem...

Foto da foto: Luís Graça (2007)

Quem reconhece a nossa mana ? Quem se lembra desta carinha larocas ?... Já lá vão uns aninhos... Mas a gente lá foi ao velho baú da família e desencantou-te, Nita...

Para quem chega aqui ao blogue e não te conhece, ficam desde já saber que tu és a última das raparigas, a seguir à Rosa e à Alice, e o penúltimo dos filhos do casal José Carneiro & Maria Ferreira... O mais novinho é o Zé. Outros rapazes são o António e o Manuel...

Vem tudo isto a propósito do 15 de Janeiro de 1947, ano em que a família Carneiro de Candoz ficou mais rica, com este pimpolho que se vê na fotografia... Perdeu-se na memória dos tempos o autor da chapa, mas ficou para a posteridade a fotogenia da criancinha... Já nessa altura ela gostava de aparecer na fotografia!...

Hoje, mãe de dois rapazes (e o mais novo, o Tiago, puxa ao fenótipo da menina sua mãe, loirinho também quando era menino e moço), continua a ser a Nita de sempre, de que todos gostamos muito...

Para os filhos, é aquela mãe. Para o marido, é aquela esposa. Para os sobrinhos, é aquela tia! Para os irmãos, é aquela mana. Para os cunhados, é aquela... mana. Para os colegas de trabalho, é simplesmente a Ana. Para os alunos, é a Senhora Engenheira. Para os Prof. do ISEP, a Engenheira Ana... Para os amigos, é aquela amiga, sempre prestável e atenciosa... Todos, sem excepção, reconhecem a sua enorme entrega às coisas em que se mete e a sua grande capacidade de trabalho...

Foi por isso que a Joana a retratou, no desenho acima, a abraçar a lua, com os pés bem asssentes na terra... Daqui de Lisboa, é assim que a gente a vê. Com pena, naturalmente, de não estar com ela, aí no Porto, para poder cantar-lhe os parabéns. Resta-nos saber que, além de hoje ser o seu dia, ela teve como prenda muito especial o seu Tiago, o nosso Dr. Tiago, que acaba de regressar de um périplo de quase três semanas pela Europa, antes de partir dentro de dias para a Madeira onde vai dar início ao seu internato médico de especialidade...

De forma que a família Soares está hoje reunida, num restaurante do Porto e o que é importante é sabermos que eles estão bem - o Gusto, o Luís Filipe, o Tiago e a aniversariante -, que eles estão felizes, que eles são um família unida, que eles são uma família portuguesa do Porto... E, enfim, que todos nós temos muito orgulho neles e que é, para nós, um privilégio e uma honra a sua amizade... Parabéns, Nita, que vivas muitos anos e que, no mínimo, daqui a trinta e nove anos, ainda tenhas força para soprar as 100 velas!

Os meios mouros, meios morcões, Alice, Luís, Joana, João.

PS - Aqui vai também uma gracinha do João que não escreve nem pinta mas toca... Vídeo: "Do João para a tia Nita" (Candoz, 8 de Dezembro de 2007). Vídeo: 1m e 17 ss.

video

14 janeiro 2008

Fotos com legenda (1): Eu, João, e o meu avô Luis, aprendendo a ser feliz e livre como os passarinhos de Candoz

Candoz > O meu avô paterno Luís e eu... Uma conversa muito filosófica, em verso, claro... Já não me recordo do tema, mas a verdade é que eu estava muito atento à explicação que ele me estava a dar... Eu devia ter quatro ou cinco anos... Gosto muito desta foto. Isto deve-se ter passado por volta de 1988 ou 1989... Talvez na altura das férias da Pácoa, não ? Por detrás de mim, vejo cebolas plantadas... Era primavera.

Falando com ele, hoje em Lisboa, não teve dificuldade em puxar pela memória: o motivo da conversa (e da imitação, pelo jeito dos lábios) era um passarinho que andava por ali perto, livre e feliz da vida... Que é como o meu avô da Lourinhã anda sempre... Agora um bocado mais velhote e menos livre, com os seus quase 88 anos (que vai fazer em Agosto próximo)... É o meu avô poeta e sábio, de quem gosto muito. Do avô Carneiro também tenho boas recordações, embora tenha convivido menos com ele. Falarei dele noutra altura. João Graça.

Foto: Luís Graça (2007)

01 janeiro 2008

Uma noite memorável dos Melech Mechaya no Porto: Contagiarte, 7 de Dezembro de 2007







Foi uma noite que ficará na memória do nosso João e do seu grupo musical, os Melech Mechaya... Os meus amigos, cotas como eu, que foram comigo adoraram... A malta nova era capaz de ficar a dançar toda a noite, se o chão do bar aguentasse e os Melech Mechaya tivessem todo o tempo do mundo...

O João (e o seu grupo) teve o apoio dos primos, dos tios e dos amigos do Porto (1), o que foi muito simpático... Sei que eles gostaram muito, mesmo que a actuação do grupo tenha começado e acabado muito tardiamente. Até o tio Zé adorou, misturado com toda aquela malta nova, fixe, onde se misturam estudantes portugueses e estrangeiros, do Erasmus, e alguma fauna noctívaga do Porto underground... Os primos, que tinham algumas reservas iniciais em relação ao bar (Contagiarte) - que eles achavam um pouco... chunga - acabaram por rectificar a sua opinião... Afinal, o ambiente é simpático e o festival Etnias é uma aposta para continuar...

Parabéns ao líder do grupo pela empatia que consegue manter com o público... O nosso João, por seu vez, mostrou-se descontraído e inspirado, não se intimidando com a proximidade de um público, jovem, entusiasta, em cima dele... A sala, de facto, não tem condições para este tipo de música que é altamente contagiante, dançável, festiva, alegre... Parabéns, João, parabéns aos teus amigos...(LG)
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd, post de 15 de Novembro de 2007 > A banda do primo João, os Melech Mechaya, vem actuar ao Porto, dia 6 de Dezembro, no âmbito do Festival Etnias

As cores (únicas) do nosso inverno...







Candoz >29 de Dezembro de 2007 > As cores (únicas) do fim do Outono / princípio do Inverno... Dia de nevoeiro, com a manhã muito fria...Ainda há folhas nos castanheiros e nos carvalhos... Mas as videiras já estão completamente despidas, tendo-se iniciado em Dezembro a poda, que pode prolongar-se até Fevereiro/Março... Na propriedade temos também alguns sobreiros, de folha perene...Crescem aqui a um ritmo de fazer inveja ao Alentejo...
Fotos: © Luís Graça (2007). Direitos reservados.

Álbum de família (1): A visita do sargento Touguinha

Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Candoz> Circa 1965 > O nosso António, o mais velho, depois de regressar do Brasil, aos 24 anos, teve de cumprir o serviço militar. Estamos em meados dos anos sessenta. Com a especialidade de Magarefe, da Manutenção Militar, foi mobilizado para Moçambique.

Em Tete, o António sofreu um grave acidente com uma pistola-metralhadora ligeira, uma UZI, disparada acidentalmente por um camarada... Milagrosamente salvou-se. Hoje é um DFA - Deficiente das Forças Armadas (com cerca de 2/3 de incapacidade).

Depois do seu regresso do Hospital Militar Principal, em Lisboa, recebemos a visita de um sargento da sua unidade, o Sargento Touguinha, que foi para o António um verdadeiro anjo da guarda. Sem a a acção dele, provavelmente o nosso mano não se teria salvo.

Na foto, podemos ver da esquerda para a direita, o António, de cigarro na boca, o Touguinha e a esposa, a Nitas (que deveria ter 18 anos), a Fernanda (vizinha, filha do sapateiro), o pai Carneiro (fazendo as honras à casa, com o copo e a caneca de vinho na mão), a Alice e a Rosa (já casada, a viver no Porto)... As criancinhas são as filhas da Rosa (e do Quim), a Zeza (a mais velha), junto à mãe, e a Natália. Por este pormenor, deduz-se que a foto terá sido tirada no Verão, na época das férias. Por outro lado, o pai Carneiro estava com os socos com que costumava andar no campo, a regar o milho.

A foto deve ter sido tirada com tripé e temporizador. Há uma outra foto em que aparece o Zé, ao lado da Rosa.

Onde quer que este nosso amigo esteja (disseram-nos que já morreu), os nossos eternos agradecimentos por tudo o que ele fez pelo nosso mano António.

Para o nosso Quim, com votos de boa saúde em 2008



Candoz, 8 de Dezembro de 2007 > O Quim escolhendo um tronco com musgo para o presépio da igreja do Padrão da Légua...

Para o Quim, que está a precisar dos nossos miminhos..., um grande chicoração dos/as sócios/as e cunhados/as da Sociedade de Candoz... Vai correr tudo bem, nós estamos cá a torcer, a sofrer e a rezar por ti...