02 abril 2018

Feliz Páscoa 2018


Já lá vem, em festa, p’la estrada fora,

O compasso pascal da freguesia,

Chega à nossa casa mesmo na hora,

E a todos saúda com alegria.





Mais do que a tradição, é a certeza

De que a Páscoa é também renascimento,

E há sempre mais um lugar à mesa,

Para nosso geral contentamento.




Se não for preenchido, é o dos ausentes,

E, em especial, dos nossos mortos queridos;

Aos que vieram e estão aqui presentes,





Saibam que nós ficamos muito honrados.

E, aos do compasso, diremos, reconhecidos:

Tenham um dia feliz, mesmo… estoirados!





Quinta de Candoz, 2 de abril de 2018,

Os donos da casa

01 março 2018

Para o Gusto, no 71º aniversário natalício

Gusto, em dia de anos,
ao km 71 da tua “picada” da vida,
não queria deixar de estar ao pé de ti,
quanto mais não seja, simbolicamente.

A prenda que te quero dar,
já a conheces,
é uma palavra amiga,
é um abraço feito poema…

Lembrei-te logo de ti,
ao reler há tempos
o grande poeta transmontano Miguel Torga.

Vou dizer-te esse poema, “Bucólica”,
escrito em 1937, na casa do poeta, em São Martinho de Anta, Sabrosa,
mas que podia ter sido escrito hoje, em Candoz,
na “nossa quinta de Candoz”,
de cujas videiras tu tratas
com a mesma ternura da mãe
que faz a trança à filha…

É um dos meus poemas de antologia:
é difícil dizer em tão poucas e singelas palavras
o que é a vida e o seu maravilhamento…
Peguei num verso, emprestado,  e fiz um mote
para o soneto que acabei de compor esta manhã
e  que te dedico, em dia de aniversário:
é um soneto à vida
e ao amor dos que te querem bem.
A Nitas vai dizê-lo por mim,
estou certo que vai dizê-lo tão bem ou melhor do que eu.
___________________________

 S. Martinho de Anta, 30 de abril de 1937

Bucólica

A vida é feita de nadas:

De grandes serras paradas
À espera de movimento;

De searas onduladas
Pelo vento;

De casas de moradia
Caiadas e com sinais
De ninhos que outrora havia
Nos beirais;

De poeira;

De sombra de uma figueira;

De ver esta maravilha:
Meu Pai a erguer uma videira
Como uma mãe que faz a trança à filha.

Miguel Torga
In: TORGA, M. – Antologia poética. Coimbra, ed. autor, 1981, p. 247.

____________


Soneto à vida

Sim, Gusto, a vida é feita de nadas,
mais…, de mil e um gestos repetidos,
de dias bons e noites mal passadas,
de sonhos quase sempre esquecidos.

Já diziam nossos antepassados
que a vida, curta, não chegava a netos,
nem mesmo a filhos com barba, coitados…
Duro era o pão e escassos os afetos.

Hoje, que vais no comboio dos entas,
sorris, para a vida, maravilhado:
mesmo na carruagem dos setentas,

e, com mazelas, viajas em primeira,
co´ as contas em dia, és avô babado!
Que nada te falte,  nem a vi…deira!…


Parabéns, um grande xicoração  do Luís, Alice, Joana e João,
a gente de Lisboa que te ama!
1  de março de 2018



14 fevereiro 2018

Soneto de um (e)terno (e)namorado




Alcácer do Sal, 28 de janeiro de 2018, ao pôr do sol. Fotos de Luís Graça (2018)


Soneto de um (e)terno (e)namorado

para a Chita


Quisera eu jurar-te amor eterno,
se imperfeito não fosse o meu ser,
nesta terra, muitas vezes inferno,
onde temos de viver e morrer.

Esquece, amor, não há o céu dos amantes,
um lugar perfeito e aborrecido,
lá não passaríamos de figurantes,
sem o cantinho que nos é querido.

Aceita, pois, este pobre soneto,
de um homem que por ti se fez poeta,
e que não te deu o céu, mas um gueto,


onde às vezes te sentes prisioneira.
Porém, não teve por ti uma paixoneta,
antes, sim, uma paixão verdadeira.

Alfragide, Dia dos Namorados,
14 de fevereiro de 2018

Teu (e)terno (e)namorado, Luís

15 janeiro 2018

Adivinha para o dia de hoje



Adivinha do dia de hoje, 15 de janeiro de 2018

Quem é quem, que hoje vai ser lembrada,
E que aparece sempre em primeiro,
C’ um largo sorriso d’ avó babada,
Nas fotos do nosso cancio…neiro ?

Vamos lá ver se tu, leitor, adivinhas:
Quem será essa senhora prendada ?
Primeiro, nunca dorme com as galinhas,
É mãe extremosa e mulher bem ca…sada.

Goza a sua reforma merecida,
Canta no coro e toca cavaquinho,
E hoje faz mais um ano de… vida!

Pois, com estas qualidades descritas,
E em redor muitas flores e carinho,
Tá-se a ver: é a nossa querida… Nitas!


... Com um xicoração das famílias

Ferreira Carneiro,
Pinto Soares
e Graça Henriques...

01 novembro 2017

Manuscrito(s) (Luís Graça): A comunhão dos vivos e dos mortos > Paredes de Viadores, 1 de novembro de 2017: aqui a tradição ainda é o que era



Marco de Canaveses > Freguesia de Paredes de Viadores e Manhuncelos > Candoz > Quinta de Candoz > 1 de novembro de 2017 > "Antiga casa de caseiro", fechada há mais de 30 anos... Como outras tantas casas cujos "inquilos" morreram...E as enormes teias de aranha ganham o estatuto de marcas do tempo... É sempre estranho e intimidante entrar numa casa fechada...


Foto (e legenda): © Luís Graça (2017). Todos os direitos reservados. 


Manuscrito(s) (Luís Graça) > A comunhão dos vivos e dos mortos > Paredes de Viadores, 1 de novembro de 2017: aqui a tradição ainda é o que era


Dia de Todos os Santos. Na minha terra, na Estremadura, era o dia do "pão por Deus"… Lembro-me, de puto, de andar também de sacola às costas, em bando, de casa em casa, a "pedir o pão por Deus"...Ia-se sobretudo àquelas casas, dos ricos e remediados, que sempre tinham um pão doce, uma broa, uma guloseima ou um tostão para dar às crianças...que, de certo modo, representavam as almas dos fiéis defuntos, em errância pelo mundo.

Aqui, em Paredes de Viadores, Marco de Canaveses, não há essa tradição, mas é o Dia de Finados (que o calendário litúrgico celebra só amanhã). Estou no recinto da capela de Nossa Senhora do Socorro, no alto da antiga freguesia de Paredes de Viadores, velha ermida cuja origem se perde nos tempos. Terá sido reconstruída por volta de 1877. O cemitério, ao lado, esse, data de 1894.

Como os cristãos se recusavam a ser enterrados fora do "solo sagrado" (ou seja, no interior das igrejas ou do seu adro), por razões de saúde pública, foram criados os primeiros cemitérios públicos em Lisboa, nos primórdios do liberalismo (1835). Mas a medida é ferozmente combatida por grande parte do clero e demais apoiantes da "sociedade senhorial", ou seja, do absolutismo...

A revolta minhota da Maria da Fonte, em 1846, tem a ver também com a proibição, do governo de Costa Cabral, de enterrar os mortos nos recintos religiosos e com o protagonismo dos médicos que passam a certificar o óbito... A sublevação popular que se estende a grande parte do país, leva a soluções de compromisso: a maior parte dos cemitérios públicos, sobretudo no Norte, surgem muito tardiamente, já nos finais do séc. XIX, e são construídos com muros, restos de muralhas e ruínas, e como extensão do "recinto sagrado" (a igreja ou capela e o seu adro) ...É o caso deste cemitério paroquial, rural...

Em 1890, Paredes de Viadores tinha pouco mais de um milhar de habitantes, hoje não chega aos 1300 (censo de 2011).Século e meio de depois, a vida e a morte, o profano e o sagrado juntam-se, mais uma vez, no sítio da antiga ermida de Nª. Sra. do Socorro.





Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Capela de Nossa Senhora do Socorro (restaurada em 1877) e Cemitério da freguesia (1894) > 1 de Novembro de 2008 > O recinto de festas da N. Sra. do Socorro, na freguesia de Paredes de Viadores, enche-se de viaturas e pessoas que, aproveitando o feriado de Todos os Santos, vêm celebrar o Dia dos Fiéis Defuntos, ou Dia de Finados, ou simplesmente Dia dos Mortos, que no calendário religioso é a 2 de Novembro. Hoje há missa às 2 horas da tarde. Depois o padre segue para o cemitério para uma breve cerimónia religiosa, aspergindo com água benta as sepulturas. É um acto de comunhão entre vivos e mortos. Antigamente, creio que antes do Vaticano II, havia três missas, seguidas... Mas mesmo hoje a capela, que data de 1877, torna-se pequena para a multidão que aqui se junta. A fé já não é (nem pode ser) a mesma, mas o ritual mantém-se. Como há séculos. (Comparando com a foto que tirei em 1 de novembro de 2017, mas que não tenho aqui disponível, a única diferença que se pode notar é no parque automóvel, que melhorou, e nas árvores, agora maiores e mais frondosas, à volta do recinto...).

Foto (e legenda): © Luís Graça (2008). Todos os direitos reservados.


Há largas dezenas de viaturas, talvez mais do que uma centena, espalhadas em redor do recinto (capela, cemitério, parque das merendas). São duas da tarde. As pessoas da freguesia (que agora faz parte da união das freguesias de Paredes de Viadores e de Manhuncelos) comem à pressa (ou mais cedo) para chegar a tempo e horas da missa e bênção das campas.

A capela está a rebentar pelas costuras e cá fora há outro tanto "povo" (como aqui se diz). Ninguém quer perder este momento único do ano que é a celebração do Dia de Finados no feriado de Todos os Santos. Há muito que o povo aqui substituiu os santos pelos seus queridos mortos. É, em resumo, o dia em que os vivos falam, em voz alta, com os mortos. Ou melhor: comungam...

É muito povo junto para uma pacata freguesia do Marco de Canaveses, de povoamento disperso, que vai de Mondim a Candoz, e que é servida, no Juncal, pelo comboio da belíssima Linha do Douro. "Cheiram" a fumo e a anho assado no forno com arroz, que é a especialidade gastronómica da região (Marco de Canaveses e Baião). Hoje é dia de comer arroz de forno. Como na Páscoa e na festa de Nª Sra. do Socorro, festa rija com muito fogo de artifício, que se realiza nos finais de julho (*). Mas já não vêm a pé, agora é um "povo motorizado".

Além disso, a capela fica num alto, com um estradão de acesso, empedrado, muito íngreme. As mulheres, antes de sair dos carros, besuntam-se à pressa com o perfume dos frasquinhos que vão rebuscar nas malas. Porque depois da missa e da procissão até ao cemitério, vão-se beijar todos uns aos outros, os primos, os parentes, os vizinhos, os amigos, alguns os quais vieram de longe, de Ermesinde, da Maia, de Matosinhos, do Porto, de Gaia e até de Lisboa, como eu e a Alice...

Sento-me no muro, enegrecido, do recinto da capela. É já centenário como a capela cujas obras de refundação remontam a 1877, perdendo-se a sua origem no tempo. À volta há sete ou oito oliveiras, bem cuidadas, carregadas de azeitonas, umas já pretas, outras ainda verdes. Lá dentro há um coro de vozes femininas, estridentes. Ouço o “Aleluia”, mas já não sei dizer em que parte vai a missa...

É uma religiosidade ancestral, com profundas raízes socioantropológicas que remontam porventura à época pré-romana e pré-cristã. Quem é vivo e pode deslocar-se, não perde as cerimónias, os gestos, as palavras e as emoções deste Dia de Finados. Pena é que o sol aqui se ponha cedo, por detrás da serra (ou planalto) de Montedeiras. É um catolicismo de raiz pagã, está no ADN desta gente, homem, mulher, criança, velho… “Sou mouro, não há dúvida!”, penso eu com os meus botões.

As campas foram, de véspera, energicamente lavadas e polidas. Com aquele esmero e compulsão que as mulheres do Norte põem nas tarefas de limpeza da casa. Estão cobertas de vistosos ramos de flores e raras são as sepulturas que não têm visitas. Cada família deixa dois, três ou mais círios de 7 dias, acesos. Brancos ou vermelhos, porventura “made in China”. São como as pilhas Duracell que a publicidade diz que duram e duram... À noite, o cemitério é um campo feérico, cheio de mistério, de magia e de interditos. Os vivos e os mortos só se cruzam de dia, e em especial neste dia, o Dia dos Fiéis Defuntos...

Do meu posto de observação, entre uma oliveira e um nicho onde as mulheres vão “queimar” velas de cera, vejo em frente o belo parque de merendas com árvores que mostram a folhagem, de vivas cores outonais. A igreja e a nobreza enquadraram durante séculos esta gente, procurando dar-lhes um sentido para uma vida de "bestas de carga": camponeses, rendeiros, cabaneiros, criados...

Acendo duas velas por todos os mortos, em todas as guerras do passado deste país que começou aqui, nos vales do Sousa e do Tâmega, e de quem porventura ninguém se vai lembrar neste dia. Na última guerra, a do Ultramar, este concelho perdeu 45 dos seus filhos, mas não encontro, na lista, nenhum combatente aqui de Paredes de Viadores. (Há no concelho, pelo menos, três memoriais ou monumentos aos combatentes da guerra do ultramar, na sede do concelho, em Paços de Gaiolo e em Vila Boa de Quires.)

A fila dos que assistem à missa chega até à grade do portão exterior do recinto da capela. Há carros que continuam a chegar, atrasados ou com gente mais idosa que precisa de apoio de braço para se deslocar até aqui. É já difícil estacionar. Com os lucros da festa de Nª Sra do Socorro, os mordomos vão comprando terras à volta, fazendo muros altos e alindando o sítio.

Reza-se o Padre Nosso com devoção, uns, maquinalmente, outros, mesmo as duas jovens manas, de nariz arrebitado e ar suburbano, que estão aqui ao meu lado, sentadas num banco de pedra. Quem é que não sabe ainda recitar o "Padre Nosso que Estais no Céu", que todos nós, "cristãos, judeus e mouros", aprendemos na escola e na catequese ?

O sino bate, com um som grave, à meia hora das duas da tarde. É espantoso como o sino das nossas igrejas e capelas ainda mexe connosco e as nossas memórias de infância. Estou aqui, a um canto, escrevinhando o meu bloco de notas. E pergunto-me: “Será que eu também sou daqui ?”…

Venho aqui há 40 anos e ainda há coisas da idiossincrasia deste povo que me escapam... A Tabanca de Candoz, além da Alice Carneiro, madrinha de guerra de muitos combatentes, está bem representada, entre amigos e camradas: dos antigos combatentes encontro o Manuel Carneiro (CCP 121 / BCP 12, BA 12, Bissalanca,1972/74)(**), o José Ferreira, o Zé do Alto, (que também esteve na Guiné, no início da década de 1970, antigo presidente da junta de freguesia local, primo da Alice, empresário); os meus cunhados José Ferreira Carneiro, que esteve em Angola, em Camabatela, 1969/71, e o António Ferreira Carneiro, que foi ferido em Moçambique, Tete, 1964/66)... (O Manuel Carneiro, reformado da CP, residente no Juncal, não tem qualquer ligação de parentesco com a família Carneiro, de Candoz). Falta aqui o Júlio Vieira Marques, exímio tocador de violino, e que a malta da Tabanca de Matosinhos já conhece: também esteve na Guiné em meados dos anos 60 e também faz parte da Tabanca de Candoz.

As pessoas estão há mais de meia hora de pé. Quem está cá fora, a acompanhar a missa, também observa quem chega e como se comporta. Quem chega, abraça, beija ou cumprimenta com aperto de mão quem está ao lado. Todos se conhecem, contrariamente ao pessoal da grande cidade donde eu venho. Todos aqui são primos, parentes, vizinhos ou amigos uns dos outros. Ou foram namorados/as, colegas de escola, companheiros/as da catequese e da comunhão…

Sai, por fim, a procissão com a cruz à frente e o padre com a caldeirinha de água benta, a caminho do cemitério que fica ao lado, são escassas dezenas de metros de percurso. O sol mal rompe a cortina de nuvens que o estrangula. Dizem que hoje vai chover. O dia está triste, adequado à cerimónia. Continua a rezar-se maquinalmente, eles e elas. Quem está sentado, levanta-se, e toma então lugar na procissão a caminho do cemitério.

Feita a bênção das campas, cada família recolhe-se por uns largos minutos junto da campa dos seus, ajeita os ramos flores, beija os retratos esmaltados dos seus queridos mortos, dá os últimos retoques, faz as suas orações, conta histórias, recorda memórias, mata saudades… Da casa de Candoz, repousam aqui os restos mortais dos nossos dois "mais velhos": Maria Ferreira (1912-1995) e José Carneiro (1911-1996).

Há lágrimas furtivas nalguns rostos...E depois acontece, a seguir, uma descompressão geral. O ambiente torna-se ruidoso e quase festivo e até galhofeiro. A alegria de viver e o forte sentido gregário deste povo não são incompatíveis com o milenar cultos dos mortos. O resto da tarde é passado a beijarem-se e a abraçarem-se, mostrando uns aos outros que estão vivos e bem de vida e de saúde… As mulheres foram ao cabeleireiro, vestiram roupa domingueira, enfim, estão "todas produzidas”, como aqui se diz, com graça.

Chega-se por fim a casa, já noite, com a consciência do dever cumprido, o de velar pelos mortos sem deixar de cuidar dos vivos, duas das 14 obras de misericórdia que fazem parte do legado da nossa ancestral cultura não apenas judaico-cristã como helénica… “Dei um abraço àquela malta da minha infância, do tempo de escola, que já não via há cinquenta ou sessenta anos… E foi como se fora o último!”, diz alguém de volta ao carro...

Confesso que nunca tinha visto, como aqui, no cemitério da freguesia de Paredes de Viadores, do antigo concelho de Bem Viver, um lugar tão especial, singelo e até ternurento, de socialização. O único dia do ano em que os vivos falam, tu-cá-tu-lá, com os seus queridos mortos. E se juntam, em pé de igualdade, no mesmo espaço, a antiga nobreza (os "fidalgos" e seus descendentes), o novo clero e o (e)terno povo…

A um "mouro", como eu, que vem do sul, observador participante, apraz-me registar, com respeito, no meu bloco, uma última observação: Aqui a tradição ainda é o que era...

29 outubro 2017

Parabéns, João Monteiro, no dia do teu 52º aniversário




Paredes de Viadores > 10 de Julho de 2011 > O João na festa da família Ferreira.

Foto e texto: Luís Graça (2017)



Hoje é dia de São João,
Faz anos o João Monteiro,
Dele se diz que o coração
É maior que o mundo inteiro.


Bendito entre as mulheres,
No amor foste um sortudo,
Tuas filhas, lindos seres,
E a Ana que te quer tudo.

Sem esquecer a nossa Mi,
Nem o teu sogro Carneiro,
Toda a gente gosta de ti,
És  o amigo João Porreiro.

Luís / Alice, Candoz, 29/10/2017.

26 setembro 2017

Homenagem ao nosso pai, que faria hoje 106 anos





Pai, farias hoje cento e seis anos,

E eu gostaria de te sentar à mesa,

Para te fazer uma grande surpresa,

Comigo, com as manas e os manos.



Posta a mais bela toalha de linho,

Cantar-te-íamos os parabéns,

À proveta idade que tu já tens.

E brindaríamos com o nosso vinho.



P’ra matar saudades não chega um dia,

E aqui é que aparece, por magia,

Também a querida mãe de todos nós.



Seria a noite mais bela e comprida,

Alguma vez por todos nós vivida,

Na nossa terra e casa de Candoz.



26/9/2017, Maria Alice Ferreira Carneiro

09 setembro 2017

Vídeo de homenagem aos trabalhadores da "vinha do Senhor"...


Região Demarcada do Vinho Verde, sub-região de Amarante > Marco de Canaveses, Paredes de Viadores, Candoz, Quinta de Candoz, 3 de setembro de 2017

Vídeo  (5' 29'') alojado no You Tube > Luís Graça


Quinta de Candoz > Foto panorâmica da entrada principal, vista da estrada municipal nº 642


Quinta de Candoz > Muros de suporte, que hoje em dia custa milhares de euros (60 euros por metro cúbico, em média, ao preço local)


Quinta de Candoz > Vinha em altitude (c. 250/300 metros), roubada à floresta de carvalho e castanheiro...Acima, são os "montes" (pinhal...). O sobreiro cresce aqui a olhos vistos, embora não dê cortiça de jeito...


Quinta de Quandoz > O "sino" que chama "os trabalhadores da vinha do Senhor" para o almoço...
Fotos (e legendas) : © Luís Graça (2017). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].
 
1. Começou ontem a vindima na Quinta de Candoz, e eu tenho pena de lá não ter podido estar, até porque fazia anos o José Ferreira Carneiro (um dos meus sócios, meu cunhado, amigo e camarada de armas: o "caçula" fez a guerra do utramar em Angola, em Camabatela, 1970/71, enquanto o mano velho, o Tó,  foi gravemente ferido em Moçambique, sendo hoje DFA)...

Como temos aqui, no nosso blogue, alguns conceituados vitivinicultores (, estou-me a lembrar logo do nosso José Manuel Lopes e da Luisa Lopes, da Quinta da Senhora da Graça), e muitos mais são os "adoradores de Baco", lembrei-me de mostrar-vos este vídeo...

 Para a nossa geração, a vinha e a cultura da vinha são-nos familiares... Somos do tempo em que o vinho dava de comer a um milhão de portugueses, mas os nossos agricultores, analfabetos, não sabiam fazer vinho...No espaço de uma geração (!)  fez-se uma revolução em Portugal, em matéria de vitivinicultura... E produzimos já alguns dos melhores vinhos de mesa do mundo... Não galo dos enólogo, das "estrelas"... Há muita gente anónima por detrás desta revolução, de métodos de trabalho, de ténicas, de conhecimentos, de gestão, e sobretudo de mentalidades... Em suma, é bom que os nossos filhos, netos e bisnetos conheçam um pouco do que é o campo, a agricultura que se faz hoje, donde provém o vinho, o milho, as batatas, a alface, as pêras,  etc.

A Quinta de Candoz situa.-se na região demarcada do vinho verde, sub-região de Amarante. Fomos dos primeiros, na extinta freguesia de Paredes de Viadores (hoje freguesia de Paredes de Viadores e Manhuncelos), a modernizar a cultura da vinha, nos anos 80 do século passado. A quinta, de herança familiar, pertence a 4 sócios (3 irmãs e 1 irmão). Tem meia dúzia de parcelas, em solcalcos, suportados por muros de granito, construidos ao longo dos séculos por gente anónima, à força bruta de braço... No total, o nº de pés de videira não chegará às 2 mil, metade dos quais estão no "campo" que se mostra no vídeo acima. Só temos castas de vinho branco (arinto ou pedernã, azal, loureiro, e algum avesso e alvarinho).  O essencial da produção é vendido à "Aveleda" (Penafiel).  De dois em dois anos, fazemos vinho e engarrafamos para autoconsumo...

Com este vídeo, que não é promocional, eu quero apenas fazer uma homenagem aos trabalhadores da vinha e do vinho do meu querido país, em geral, e em muito em particular aos que continuam a manter de pé "a nossa quinta de Candoz": sem eles, o seu amor, inteligência, competência e sacrifício, eu não poderia mostra-vos este vídeo... Um hectare de vinha, num sub-região como esta, dá muito trabalho: pelo menos 2 dias por semana!... Do enxerto à poda, da "pulveriza" à vindima, vão muitos dias, horas, insónias, preocupações, trabalhos, dinheiro... Não vou entrar aqui em pormenores, técnicos, até porque sou um leigo nesta matéria, sou apenas o "poeta" e o "fotógrafo" da casa... Criei em 2005 o blogue "A Nossa Quinta de Candoz", que é sobretudo um hino a uma família portuguesa, comum, igual a tantas outras, honesta e trabalhadora:

  "Candoz, Paredes de Viadores, Marco de Canaveses. A casa, as pedras, os muros, o chão, as minas, os carvalhos, os castanheiros, as vinhas... Na posse da família Ferreira Carneiro, há pelo menos dois séculos. Uma estória de loas e cantigas. Mas também de trabalhos (es)forçados. De pão e vinho sobre a mesa. De amor e de amizade. Rosa, Chita, Nitas, Zé, mais as respectivas caras metades (Quim, Luís, Gusto e Teresa). Pais fundadores: José Carneiro & Maria Ferreira."

Tenho uma ligação sentimental a esta quinta onde me casei... com a filha do "patrão" (ou uma das filhas)... Tenho uma bela amizade com os meus cunhados e cunhadas, e rendo-me ao amor com que, há mais de 3 décadas, cuidam deste patrimónuio familiar, como se fosse um jardim, sacrificando muito do seu tempo, dinheiro e, infelizmente, também saúde... Este vídeo é uma homenagem em especial ao Gusto e à Nitas, ao Zé, ao Adriano, os verdadeiros "trabalhadores da vinha do Senhor"... Daqui, da terra dos mouros, eu tiro-lhes o chapéu!... Muita saúde e longa vida que eles merecem tudo!... (LG)

Reproduzido do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné

08 setembro 2017

Sessenta e oito mais um... Parabéns, querido mano Zé!



Quinta de Candoz, 1/9/2017; foto panorâmica. Foto LG


Quem faz anos, hoje, é o Zé,
O nosso mano querido,
Ferreira Carneiro é,
Gente de bom apelido.

Sessenta e oito mais um,
Diz, sem ponta de malícia,
Depois dos setenta, pum!,
É que ele vai ser notícia.

No clube septuagenário,
Estão já as manas e os cunhados,
À espera do centenário,
Serão todos bem festejados.

Toma, Zé, xicoração,
Tão rico como o almoço,
Hoje os parabéns se dão
A ti, menino e moço.

Tua santa padroeira,
Senhora do Castelinho,
Te encha a algibeira
De graveto… e miminho!

Tua mana Alice e teu cunhado Luís

Alfragide, 8 de Setembro de 2017

10 julho 2017

Parabéns, Tiago, pelas tuas 35 primaveras!


Quinta de Candoz > Os primos, ainda no séc. XX... Da esquerda para a direita: João, Luís Filipe, Tiago e Joana.

Foto: álbum da família, s/d





Soneto de parabéns, para ti, Tiago,
pelas tuas 35 primaveras!






"Nasceu cedo, logo às sete, é de oiro,
Este menino", diz a mãe, babada...
"É mocho, pia até de madrugada",
P’ró pai, é um sinal de bom agoiro.

P’ró Filipe,  é o bebé-chorão,
Mano fofo a quem dar dentadinha,
E lambuzadela… na carequinha;
Ou seja, amor, carinho e proteção.

P’ra todos nós,  foi bênção e alegria,
Amigo irrequieto e divertido.
E logo acrescenta a bela Sofia:

"P’ra mim, és o meu grande amor, querido!"...
Em coro te dizemos,  neste dia:
"Tiago, obrigados… por teres nascido!"



Comboio Intercidades, 
Porto-Lisboa, 10 de julho de 2017, 11:47


O tio Luís... em nome da malta toda!...  (Teus pais, teu mano, tua cunhada, tua sobrinha, teus tios, teus primos... e teus amigos, sem esquecer a tua querida Sofia...)

26 junho 2017

In memoriam: Jorge Dinis (1962 2017)




Marco de Canveses > Paredes de Viadores > Festa da família Ferreira > 10 de julho de 2011 > Da esquerda para a direita: o Tiago (que fazia 29 anos), o Jorge Dinis, a Paul e, de costas, a filha mais velha da Paula e do Jorge, a Carolina ("Kika")






Marco de Canveses > Paredes de Viadores > Festa da família Ferreira > 10 de julho de 2011 > O Jorge e a Paula (Ana Paula, para os amigos)



Marco de Canveses > Paredes de Viadores > Festa da família Ferreira > 10 de julho de 2011 > Alguns dos muitos músicos que animaram a festa: a Carolina e o João (violino), o Mariano (guitarra portuguesa) e o Luís Filipe (viola)

Fotos do álbum das famílias Carneiro e Soares (2011)






Tanatório de Matosinhos > 27 de junho de 2017 > A despedida

Foto de Luís Graça (2017)


Oração fúnebre  ao nosso querido 
Jorge Dinis (1962-2017)



Querido Jorge:


Já não estás entre nós
neste princípio do verão do nosso descontentamento,
o barqueiro de Caronte
levou-te para a outra margem.
Há agora um rio a separar-nos
definitivamente,
a separar os deuses e os heróis
dos simples seres humanos, mortais.
Só os primeiros têm o privilégio
de fazer a viagem de ida e volta.

Mas estamos todos aqui a despedirmo-nos de ti,
para que esse rio não seja
o do esquecimento e da ingratidão.
Em termos poéticos,
é uma imagem poderosa,
que nos vem da antiguidade clássica,
essa do rio Caronte
e do seu barqueiro
a quem os mortos têm que dar uma moeda
para que os leve, em paz, para a outra margem.

Jorge:
a vida, a história, a geografia
aproximaram-nos e separaram-nos.
Os dois, tu e eu,  nunca fomos íntimos
mas tínhamos o privilégio de pertencer
a uma grande família,
pelo casamento.
E é em meu nome e de todos eles,
e, por extensão, em nome dos teus demais amigos
que eu te faço esta singela oração fúnebre
(ou elegia ou, talvez até com mais propriedade, elogio).

A última vez que te vi foi há seis anos,
na festa da família,
em 10 de julho de 2011,
acompanhado das mulheres da tua vida,
as tuas "princesas".
Guardo de ti e das poucas fotografias que temos de ti,
a serenidade do  teu olhar,
o teu trato afável,
o teu fino sentido de humor,
o grande amor que tinhas pela tua família,
a paixão pela vida 
e o prazer das coisas boas da vida.
Lembro-me de ter estado contigo
também nalgumas datas especiais,
como as festas de Natal,
sem esquecer o dia o teu casamento com a Paula:
levavam já vocês a Carolina, ao colo!...
Dupla festa de casamento e batizado,
e que bonita que foi!

Deixa-me recordar aqui os versinhos que te fiz,
em nome dos tios e  tias da família Carneiro,
que estavam na mesa  seis,
com os respetivos consortes,
Deixa-me transcrever as três últimas quadras
que rezavam assim:


(…) Uma querida menina,
Diz o pai, Jorge Dinis,
O amor é uma mina
P'ró economista f'liz!

P'ró economista f'liz
Amor vem sempre primeiro
A Paula assim o quis,
Com a benção do Carneiro

Com a benção do Carneiro,
No vale dos Raposinhos
Não falte paz e dinheiro
A este par d'amorzinhos. (…)

Depois veio a Maria
para completar a vossa felicidade.
Tiveste tudo na vida ou quase tudo.
A tua morte deixa-nos agora devastados,
a todos nós, teus familiares,
e aos teus amigos, 
os teus "caros", como lhes chamavas,
aqui presentes
para te render a última homenagem 
e despedir-se de ti.

É sempre triste a despedida,
a separação,
e, pior ainda, quando não anunciada.
Um dia destes,
num qualquer dia de uma das Quatro Estações do Ano,
também nós tomaremos lugar
nesse barco do barqueiro de Caronte.
Mas até lá, vamos teimar
em continuar a ver-te
com o teu ar sedutor,
com a tua presença luminosa,
com a tua facilidade em estabelecer 
relações e amizades.
Falo daqueles que te conheceram,
e tiveram o privilégio de lidar contigo,
a começar pelas tuas mulheres,
que muito te amaram e te amam.

E aqui deixa-me
destacar a nossa Paula
a tua Paula
por quem rezamos,
para que não lhe falte a fortaleza dos rochedos 
das praias de Gaia,
nesta hora de grande provação,
bem como as tuas filhas Carolina e Maria
cujo amor e coragem
passarão a ser uma referência
para todos nós.

A última consolação que nos resta
é a de saber que, se há um lugar
para os humanos
no condomínio de luxo dos deuses,
lá no Olimpo,
tu já ganhaste esse lugar, 
por decisão nossa e mérito teu em vida.
Quando também chegar a hora
da  nossa partida
no barco de Caronte,
haveremos então, todos juntos,
de reatar as conversas
que a tua morte estupidamente  interrompeu.

Foste à frente de todos nós,
mas a tua vida iluminou-nos
e a tua nobreza na adversidade
engrandeceu-nos,
a todos nós,
teus familiares e amigos.

Jorge, temos muito orgulho em ti!

E, no entanto,
quantos projetos não ficaram ainda 
por concretizar,
meu amigo!
E se tu tinhas ganas
de viver,
de vivê-los,
com a tua Paula
com as tuas filhas Carolina e Maria
com os teus amigos!...
Com a tua Carolina, a tua Kika, 
que quer ser médica 
e há-de ser um grande médica,
para orgulho teu 
e de todos nós!

Guardaremos connosco
as melhores recordações
do melhor de ti,
tu que foste um homem inteligente
e bom
e generoso

e amigo do seu amigo!

Quem fica do lado de cá,
separado por esse rio intransponível,
fica sempre desolado e inconsolável
pela perda irreparável
que é a morte,
a tua morte,
a qual é também a nossa futura morte.

Quem fica do lado de cá,
como nós,
fica a dizer-te adeus,
numa despedida
que é sempre breve,
porém dolorosa,
tingida já da agridoce saudade,
que dizem ser tão típica dos portugueses.
Os teus amigos de Gaia e do Porto
e de todos os lugares do mundo
onde foste feliz,
ficam no cais do rio Douro a dizer-te a adeus,
convencidos que partiste apenas
para outra cidade noutro continente,
ou noutra outra galáxia.
Como disse um amigo teu, 
com dolorosa ternura, no Facebook,
vamos supor que mudaste apenas
para o andar de cima
da casa dos teus sonhos no vale dos Raposinhos.

Leva contigo estas últimas palavras
dos teus amigos e familiares,
que elas te ajudem a atravessar o Caronte,
e a fazer boa viagem.

De regresso a casa,
vamos ajudar as tuas "princesas",
a  suportar um pouco melhor,
a tua trágica partida.
a dulcificar as lágrimas de sal,
a fazer o luto,
a construir a ponte sobre o Rio de Caronte.
É por isso que aqui estamos,
é para isso que servem a família
e os muitos e bons amigo que tu tinhas 
(e continuarás a ter) .

Até sempre, Jorge!... Ou até logo!

Tanatório de  Matosinhos, 27 de junho de 2017, 11h


a) Luís Graça, em nome da família Carneiro 
e demais amigos