18 novembro 2012

Há 100 anos nascia a nossa querida mãe Maria Ferreira (Fandinhães, 18/11/1912 - Candoz, 19/3/1995) (Parte III)







Mãezinha, nossa mãe querida!

Lá vão tantos anos, 

e muito mais meses, semanas e dias,
desde que nos deixaste,
desde que te despediste desta vida!
Morreste serenamente,
no dia 19 de março de 1995,
até escolheste um domingo,
o dia santo do Senhor,
para 
podermos estar todos juntos
antes da tua partida.

Morreste como uma santinha,

aos 82 anos,
nos nossos braços,
como nós gostaríamos de morrer,

um dia, 
nos braços dos nossos filhos!

Foi talvez mais fácil fazer o luto, 
aceitámos com mais resignação cristã

a tua partida,
o fim da tua caminhada na terra...

Mas mesmo assim, 

houve tantas coisas lindas por fazer,
tantas palavras doces por te dizer,
tanta ternura por partilhar,
tantos miminhos e beijinhos por te dar!

Ficamos sempre com a estranha sensação
de que nunca fazemos tudo
o que um filho deve fazer por uma mãe!

A tua doença apanhou-nos desprevenidos,

a nós, teus filhos e filhas...
A comunicação contigo tornou-se mais difícil
mas mesmo assim
cuidámos de ti,
até ao fim,
na tua casa,
com todo o amor, carinho e saber
que nos foi possível...

Demos aos nossos filhos e netos 

um grande exemplo de amor filial,
de ternura e gratidão por uma mãe
que envelhece e adoece,
mas o mesmo também fizemos 

pelo nosso querido pai.
Como tu tinhas feito pelos teus pais, 
os nossos avós.

Hoje farias cem anos, se fosses viva.
E para nós tu continuas a viver,
nos nossos corações,
no nosso jardim,
na nossa casa,
nos nossos campos,

nas nossas árvores.

Falamos contigo,

e mostramos-te as coisas lindas
que fizemos juntos,
e que te orgulhariam,
a ti e ao nosso pai, 
se ambos fossem vivos.

Falamos hoje contigo
como no dia da inauguração da nossa casa,
em 7 de abril de 1999,
em que fizemos uns versinhos 
que começavam assim:

Eu sonhei com rosas brancas
Que vieram do além;
De todas as almas santas
Só pode ser nossa mãe.

Só pode ser nossa mãe
A querer falar com nós,
Por isso ela também
‘Tá aqui hoje em Candoz.



Hoje, em que farias 100 anos,
estamos aqui todos,
o António, a Rosa, o Manel,
a Alice, a Nitas, o Zé...
justamente para te recordar
e homenagear.
Para te dizer, simplesmente,
que foste, és e serás sempre 
a nossa... querida mãe!

Nasceste em Fandinhães,
em 18 de novembro de 1922,
num tempo difícil para o povo,
muito mais difícil do que hoje,
e muito mais difícil ainda para quem nascia mulher.
Casaste e vieste viver para Candoz,
para este mesma casa
cujas pedras têm mais de 200 anos.
Aqui nos tiveste e nos criaste,
sete filhos e filhas em dez anos,
a tua canalha,
como tu carinhosamente costumavas chamar-nos.

Aqui nos deste o teu leite 
e o teu amor,
aqui nos deste o teu caldo 
e o teu pão,
o essencial das coisas que nunca nos faltaram,
sem esquecer os teus ralhos 
e os teus açoites.
Para nós serás sempre a melhor mãe do mundo,
deste-nos a vida, 
deste-nos o ser,
ajudaste-nos a sermos homens e mulheres,
que sempre te orgulharão,
que ostentam com orgulho
o teu apelido, Ferreira,
e o apelido do nosso pai, Carneiro.
Aqui crescemos e fomos saindo
para as sete partidas da vida e do mundo.
E aqui voltamos, 
sempre com muita alegria,
mas também saudade,
para estarmos todos juntos,
as nossas várias gerações,
a dos teus filhos, netos e bisnetos.

E, se há uma oração 
que te queremos rezar hoje,
à volta da tua campa,
é esta:

Nossa mãe, muito obrigados,
Por nos teres botado ao mundo
Os teus filhos adorados,
Que te têm amor profundo.

Que te têm amor profundo
E uma dívida, a da vida;
Do coração, lá do fundo,
Te dizemos: és mãe querida!


Quinta de Candoz, 18/11/2012

António, Rosa, Manel,
Alice, Nitas e Zé


Sem comentários: