20 setembro 2013

Cancioneiro de Candoz (1): No melhor pano cai a nódoa... (Luís Graça)


Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Candoz > Quinta de Candoz > 28 de agosto de 2013 > Um quivi, ainda verde...Um fruto de origem chinese cuja cutura se expandiu pelo continente australiano, pela América e depois pela Europa e, mais recentemente, por Portugal e a região de Entre Douro e Minho... Uma nódoa na paisagem, como o eucalipto e tantas outras plantas exóticas e infestantes (, mas também coisas, ideias, usos, costumes, etc.) ?...

Foto (e iegenda): © Luís Graça (2013). Todos os direitos reservados.





No melhor pano cai a nódoa

por Luís Graça


No melhor pano cai a nódoa, diz o povo.
Ou dizem que diz o povo.
Pergunto: com razão ?
Opto pela dúvida metódica.
Não sei se cai mesmo,
a nódoa no pano.
E afinal o que é que cai ?
E onde ?
A nódoa ou o pano ?
A nódoa no pano ou o pano na nódoa ?

Ou melhor, reformulando a questão:
é a nódoa que cai no pano
ou é o pano que cai na nódoa ?
O pano pode ser voador
como o tapete mágico
das mil e uma noites.
E até provocar um orgasmo de múltiplas nódoas.
E a nódoa, por seu turno,
pode estar ali,
especada,
emboscada,
traiçoeira,
oportunista,
como uma flor carnívora
à espera da sua vítima,
como a orquídea-abelha
à espera do zangão
para ser fecundada.


Pergunto:
será o pano fêmea
e a nódoa macho ?
Se sim, porque dizes o pano, a nódoa ?
Tu, que és pano,
não sei porque deverias ser
estático,
passivo,
objeto,
recetáculo.
Tu, que és nódoa,
terias que ser dinâmica,
proativa,
sujeito,
vetor ?

Em boa verdade,
não sei mesmo se a nódoa cai,
como a a mação de Newton
por força da gravidade
ou por via do pecado original.
E muito menos se cai no pano.
E logo no melhor pano.

Além disso, por que é que no melhor pano
haveria de cair a pior nódoa ?
Ou por que é que no pior pano
não pode cair também a melhor nódoa ?

Na seda mais fina é que a nódoa pega,
há também quem o diga e ajuramente.
O que vale é que
a nódoa que põe a amora.
com outra, verde, se tira.
Eu prefiro a bosta de abril
que tira manchas mil.
Mas cuidado com os meses,
que a nódoa de janeiro
não a tira o ano inteiro
.

E depois há nódoas e nódoas:
nem toda a água do mar
pode certas nódoas tirar.
E, abrenúncio!,
nódoa de gordura
é alma que cai no inferno
.


A conclusão que eu tiro
é que não há pano sem nódoa,
não há nódoa sem pano,
não há ponto sem nó.

Luís Graça

PS - Não sou "xenófobo", nem "sinófobo"... Muitas outras coisas boas nos vieram da China (... tirando o "livrinho vermelho")... Por exemplo, o arroz, a videira, o papel... Já o desgraçado do eucalipto é praga australiana... Infelizmente, a eucaliptização de Portugal está em marcha, agora que a florestação é livre!... Por que as celuloses são quem mais ordenam... 

Enfim, é apenas um comentário, feito com sorriso amarelo, à legenda da foto... Felizmente que em Candoz só temos dois ou três pés de quivis, p'ra mostrar ao turista...Em contrapartida, temos dois belos sobreiros (!), além de bastantes carvalhos e castanheiros... O resto é vinha de socalco que o engenheiro e enólogo Augusto Soares (e, em dias de festa, tocador de acordeão) trata com esmero, saber, sabedoria, paciência e paixão... Vai ser a primeira vindima já este fim de semana, e eu não posso ir!... Ainda vim de lá a 10 do corrente... 400 km me separam de Candoz...

Sem comentários: