08 setembro 2010

Efemérides: Angola, Camabatela, 8 de Setembro de 1970: O mano Zé estava na guerra e fazia 22 anos anos...







Imagens: A Nossa Quinta de Candoz (2010). Todos os direitos reservados



Reprodução da carta que a mana  Chita mandou ao mano Zé quando ele fez 22 aninhos... Ele, lá longe, no Norte de Angola, em Camabatela, para onde a Pátria o chamou, entre 1969 e 1972, uma eternidade...Ela já a trabalhar, mas ainda a viver em Candós, na casa dos pais... O mano Zé era 1º Cabo Transmissões de Infantaria, de rendição individual, numa companhia que guardava os cafezais lá região, perto de Negage e de Quitexe... Mas a gente não se lembra agora do número da companhia... Sabemos que o Zé nunca mais se voltou a encontrar com os seus antigos camaradas... 40 anos depois, quando faz 62 aninhos, quisemos fazer-lhe esta surpresa. Eu,  Chita, o Luís, a Nitas, o Gusto, a Rosa, o Quim... e o Pedro, sócios de A Nossa Quinta de Candoz, só lhe podemos desejar mais outros 40!... Muita saúde e longa vida, porque a um homem bom como tu Deus dá tudo... Um xi-coração apertadinho da tua mana...

PS - Ah!, e obrigada por teres arquivado as cartas e os aerogramas que a gente te mandava!... Tudo direitinho!...

Candós, 9.9.70


Querido Mano:


Após algumas horas terem passado do teu aniversário [, ontem, dia 8,], aqui estou a contar-te como o passámos.


Como já há 6 anos que lá não [ ia, à festa do Castelinho, ], este ano sempre me decidi e fomos, eu, o pai, a Rosa, o Quim, António e Graça. Fomos de manhã e chegámos à noite.


Para te dizer que gostei muito, isso não. Sabes que só era alegria quando fazíamos as viagens a pé. Agora ninguém o faz e portanto deixa de ter aquela alegria sã como dantes. Isto é a minha opinião!... Mas julgo que a dos outros será a mesma.


Assisti à Santa Missa no adro e depois do almoço fui para o penedo onde permaneci até vir embora. Não estava calor, pois de manhã tinha chovido, portanto não fazia pó. Fomos todos à capela rezar por ti e assim se passou o dia.


Não andava muito contente mas isto são problemas de 'amor'. E também por que estou muito magra, depois que vim de Lisboa já emagreci ainda mais 4 kg. 

Também te quero dizer que hoje mesmo recebi mais uma carta tua. Até que enfim te decidiste a escrever-me. Acredita que andei uns tempos chateada, mas já passou. 

Quanto às fotos realmente tens razão. Eu tinha uma série delas tiradas em Pegões, e ficaram de mas mandar, mas até hoje ainda nada apareceu. Até eu estou a ficar aborrecida, mas o remédio é ter paciência. Quando me for possível, eu tas mandarei.


Neste momento estou a escrever-te do consultório médico. Vim com a mãe, vamos ver o que diz o médico. Não te aflijas porque [ela] anda bem, o médico é que quer ver se está melhor.

Quanto às uvas, para já o preço de 2$80 o kg, não é mau de todo mas a s vindimas só podem ser feitas a partir do dia 28. Isso é que será pior e mais ainda se agora não parar a chuva, então teremos tudo podre.


Por hoje é tudo, resta-me finalizar com um abraço da família Barbosa e meninas, cumprimentos dos vizinhos, beijinhos dos pais e da tua mana uma xi-coração de amizade. Maria Alice.


PS – Escreve para casa porque, embora trabalhe todos os dias, venho cá dormir.





















Angola > > Cuanza Norte > Ambaca > Camabatela > Janeiro de 1974 > Avenida central de Camabatela; ao fundo,  a igreja católica.  A cidade de Camabatela (ou Kamabatela, como também se escreve hoje ) foi fundada pelos portugueses em 1611, e é  sede do município de Ambaca, na província do Cuanza Norte (ou Kwanza-Norte), a leste de Luanda. Foto de Henrique J. C. de Oliveira, Cambatela, 1/1/1974.

Foto: Cortesia de Prof2000 > Aveiro e Cultura > Arquivo Digital

3 comentários:

gust disse...

muito bom tia nunca imaginei que tivessem coisas assim
bjs
cuca

Anónimo disse...

Gostei de ver este site, chamou-me atenção por falar em Camabatela. minha rica terra onde cresci e casei com um furriel que estava na tropa nesta data que é focada. O mano Zé de certeza que me conheceu porque eu era filha do dono do hotel Bandeira e casei com o furriel Vicente, Felicidades para todos.

Anónimo disse...

Que saudades!
Sou de Camabatela e procuro um familiar, Antonio dos Santos (Parada), Portugues, na altura também conhecido por Conhé. Era Sobrinho do Senhor Mario, que tinha loja em Camabatela e também no Luinga ao pé da Igreja.

Agradeço a quem tenha alguma informação que me contacte - ajjrs@hotmail.com

Cumprimentos